Baixar App hot
Início / Romance / O Guardião do meu Corpo
O Guardião do meu Corpo

O Guardião do meu Corpo

5.0
79 Capítulo
251 Leituras
Ler agora

Sinopse

Índice

Quando Sofia retorna à casa que dividirá com sua melhor amiga depois de um dia de trabalho em turno duplo no restaurante italiano Gios, para onde tinha ido diretamente após retornar depois de quase dois anos do México, onde morava com a mãe e a avó, ela encontra sua amiga Vicky no chão, morrendo, com vários ferimentos sangrando de facadas no abdômen. Ao entrar em seu apartamento, ela encontra sua amiga Vicky no chão, morrendo, com vários ferimentos hemorrágicos causados por facadas no abdômen, ela a instrui a ir para a academia, que ambas frequentam, para praticar Krau magan, e no armário de Sofia, ela escondeu uma bolsa preta com algumas instruções que ela deve seguir, pois a vida de muitas pessoas está em perigo. Depois de se comprometer com a missão que Vicky lhe pediu, ele a viu morrer em seus braços. Ele jura vingá-la e, por isso, segue as instruções que ela lhe deixou. Ele entra em contato com o colega, a quem sua amiga entregou o que havia descoberto. Para isso, no entanto, ela precisa primeiro ter um microchip injetado em seu antebraço. O colega que Sofia está procurando não é outro senão Samary Nikolaus, o inteligente ex-modelo que agora é chefe do departamento de IMASD de um dos principais grupos de tecnologia do mundo, a Nikolaus LG Electronic. Após tomar conhecimento das informações que Sofia lhe forneceu, graças a seu colega falecido, Samary pede ajuda ao marido, o intimidador CEO Constantine Nikolaus, também chamado de Demon ou Dante por seus amigos da universidade. Depois de analisar as informações que sua esposa obteve, ele percebe que o único que pode ajudá-los, sem alarmar a população ou alertar os responsáveis pela atrocidade que pretendem cometer, é alguém que também é afetado pelo que descobriram, Vermont Wilson, também conhecido como Cops, já que a empresa que os assassinos de Vicky pretendem usar em seu plano não é outra senão a empresa da família de Vermont. Vermont Wilson, sargento da polícia de Nova York, quis ser policial a vida inteira e, por isso, recusou-se a seguir os passos que sua família queria para ele, que não era outro senão ser o herdeiro do Wilson Weapons Technology Group. Diante dessa descoberta, há apenas duas coisas que ele pode fazer: tornar-se o herdeiro que seu pai sempre quis que ele fosse e proteger a única mulher que, em seu corpo, carrega a única coisa que pode impedir um dos maiores ataques terroristas da história. Mesmo que tenham que fingir que são recém-casados, mesmo que tenham que aprender a suportar um ao outro, pois desde que se conheceram são como óleo e água, toda vez que estão juntos pulam um no outro, provando que existe uma atração oposta muito, muito perigosa. Será que eles conseguirão realizar a missão nessas condições ou se matarão pelo caminho? Ninguém sabe, mas muitas vidas dependem do sucesso dessa missão.

Capítulo 1 Prologue.

Sofia.

Eu sabia que deveria ter voltado muito antes, para que pudesse tirar alguns dias de folga antes de começar a trabalhar e as aulas do mestrado, o que me daria tempo para me aclimatar.

Foi um castigo total chegar ao restaurante onde eu havia conseguido um emprego como garçonete, sem ter ido para casa, e colocar dois turnos inteiros entre o peito e as costas. No carro, como testemunha da loucura que eu havia feito, estavam todas as minhas malas que eu havia trazido de uma viagem de Hidalgo a Cleveland em meu velho Toyota. Mais de 3.000 quilômetros, que fiz em três dias, e tudo porque minha mãe achou muito difícil se separar da filha.

Não era a primeira vez que eu morava nos Estados Unidos. Terminei minha graduação em política internacional aqui, mas quando minha avó ficou gravemente doente, tivemos que voltar para o México para que minha mãe pudesse cuidar dela e eu pudesse trabalhar para sustentá-las nesse meio tempo. Isso foi há dois anos, portanto, quando consegui esse emprego, graças à minha amiga Vicky, e a bolsa de estudos para o mestrado em relações internacionais, com a opção de trabalhar nas embaixadas dos EUA em outros países, nem pensei nisso.

Em Cleveland, eu ganhava muito mais do que em Hidalgo e, por isso, podia ajudar melhor minha mãe e minha avó. Meu anjo da guarda, a grande e inteligente engenheira do setor de armamentos Vicky Milton, havia me dado a opção de vivermos juntos.

Nós nos conhecemos na universidade e nos demos bem imediatamente, eu era o que faltava a ela e, ao contrário, enquanto Vicky é calma, tranquila e muito paciente, eu sou um ser inquieto, incapaz de controlar o que digo ou penso, desde que não seja no meu trabalho, sou muito impulsivo. A cientista loira sempre me diz que não entendia como eu era a pessoa perfeita de relações públicas, que era politicamente correta e que sabia sete idiomas, no meu trabalho, mas na minha vida pessoal eu era um desastre completo, um terremoto de grau sete, um ser apaixonado, divertido e positivo, que sempre vê o lado bom das coisas. Eu sempre digo a ele a mesma coisa, é o meu sangue mexicano, uma coisa boa quando o tempo está ruim.

Enquanto subia as escadas do meu prédio, pois se eu puder evitar elevadores, melhor ainda, já que sofro de claustrofobia, olhei para o relógio. Eram duas horas da manhã, eles tinham que deixar tudo pronto no restaurante para que amanhã, quando o outro turno chegasse, eles pudessem ir direto para o trabalho. Eu tinha tirado o que precisava do carro, traria o resto amanhã. Estava pensando em como me preparar para as aulas que começariam em quatro semanas, quando, ao chegar ao apartamento, vi que a porta estava entreaberta e fiquei alarmado, pois isso não era normal, especialmente às duas horas da manhã.

Entrei sorrateiramente, preparado para o caso de precisar usar minhas habilidades de autodefesa. Pratico Kraus Magan há sete anos, era minha maneira de baixar meu nível de energia. Não há nada como uma boa rolada no chão, ou uma boa surra, para baixar seu nível de energia e mantê-lo relaxado.

Assim que entrei, vi tudo ao meu redor em desordem, cadeiras no chão, vários papéis, móveis e outros objetos revirados, as poltronas rasgadas e muitos objetos quebrados, vários aparelhos elétricos estavam faltando, como a televisão e o computador de mesa de Vicky.

Mas o que realmente me chocou foi encontrar Vicky perto da cozinha, no chão, com a respiração ofegante, enquanto tudo ao seu redor estava coberto de sangue.

"Vicky!", gritei, e corri para o lado dela.

Ela quase não focou os olhos e, quando ouviu minha voz, olhou para o local de onde vinha o som.

"Quem..., eu... espero... vou... chamar... a ambulância..." minhas mãos tremiam enquanto eu tentava tirar o celular da bolsa, nem percebi que estava chorando.

"Já ... é ... tarde, e há ... pouco tempo, eu quero ... que você faça o que ... eu lhe peço, por favor ... me escute ... eu quero, o que ..." ele não estava ouvindo-a, o que ele estava tentando fazer era ligar para o 911, mas ele não estava coordenando seus dedos.

"Sofia Martinez... este é meu último... testamento... você deve cumpri-lo." O fato de ela ter usado meu nome completo foi o que me fez parar e olhar para ela, ainda chorando desconsoladamente. "Na academia... que frequentamos, isso... no seu armário... pelo qual eu lhe paguei,... discretamente... há um ano, ninguém sabe... que você o tem, dentro... dele, há uma... bolsa preta com algumas... algumas instruções. Siga-as e fique longe de mim... como se nunca tivesse me conhecido... deixe que outra pessoa encontre meu corpo... não toque em nada... e nem pense em ir ao meu... enterro, eu..." um gemido de dor a silenciou.

"Eu não vou fazer isso!... Eu... eu vou... salvar...", gemi com raiva enquanto chorava, mas ela me interrompeu.

"Eu sou a menor de todas, ... milhares ou milhões de pessoas morrerão... faça o que eu digo, agora..." a decisão que vi nos olhos de minha amiga me fez perceber que quem a havia matado era alguém muito perigoso. "Prometa-me que fará o que eu disser, meu testamento, ...prometa-me", disse ela, exigente.

"Eu não podia fazer mais nada, ela se recusou a me deixar ajudá-la e eu pretendia manter minha promessa.

"Boa, boa menina... muito boa menina... eu te amo, amiga... eu te amo..." essas foram suas últimas palavras antes de morrer em meus braços, enquanto eu chorava ao seu lado e a deitava no chão.

Tirei minhas roupas cheias de sangue e troquei de roupa, as que eu havia trazido em minha bolsa, depois limpei tudo o que havia tocado e recolhi tudo o que me pertencia ou que era relacionado à minha grande amiga. Encontrei o celular dela escondido no buraco que usávamos para guardar dinheiro e objetos de valor, um buraco embaixo de um armário de porcelana no banheiro. Então, eu também peguei tudo o que estava lá, inclusive meu cartão de associado da academia. E saí de lá, olhando para ela pela última vez e enxugando minhas lágrimas.

Deixei a porta aberta para facilitar sua localização e desapareci da vida de minha amiga como se ela nunca tivesse existido. Eu tinha uma promessa a cumprir, e a cumpriria mesmo que isso acabasse com minha vida.

Continuar lendo
img Baixe o aplicativo para ver mais comentários.
Baixar App Lera
icon APP STORE
icon GOOGLE PLAY