Baixar App hot
Início / Fantasia / Nas garras do alfa
Nas garras do alfa

Nas garras do alfa

5.0
2 Capítulo
6K Leituras
Ler agora

Sinopse

Índice

A jovem rosada quando descobre ser apenas uma ômega é deixada de lado por sua família, que passa a ignorar sua existência. O único destino de uma ômega era se casar e ser marcada por um alfa, sendo assim seu pai prometeu sua mão ao alfa e herdeiro da família Uzumaki. Mas nada vai sair como seu pai planejou. O cio antecipado vai fazer a jovem rosada se entregar a outro homem, que a faz delirar de prazer e a marca como sua, mudando completamente seu destino, agora ela seria a futura senhora Uchiha.

Capítulo 1 Primeira parte

Meu nome é Sakura Haruno, pertenço a uma importante família de alfas lupinos, o clã Haruno. Sou a caçula de 4 irmãos e todos eles após completarem seus 15 anos expressaram o genes alfa em suas transformações, só faltava eu, e como a única menina as expectativas eram altas, eu iria ajudar a liderar os negócios da família ou ser uma decepção, zero pressão.

Cada família tem suas próprias tradições e maneiras para preparar os jovens para sua primeira transformação. Na minha família nesse dia é feito uma grande festa, todos os parentes estão presentes. E quando chegou a minha vez não foi diferente, toda a família estava reunida no grande salão de festas da mansão Haruno, esperando o relógio bater 17h30 (o horário em que nasci) para ver meus genes lupinos se manifestar finalmente.

Eu podia sentir toda a expectativa da minha família, a única filha mulher e uma das herdeiras Haruno expressaria os genes dominantes (no caso dos alfas) e liderava ao lado dos irmãos. Eu podia ver os olhos dos meus pais transbordando orgulho pela filha, com enormes sorrisos conversando com o restante dos convidados e falando do enorme orgulho que era seus 5 filhos.

E foi quando aquele maldito relógio bateu 17h30 e todos os olhares cairam sobre mim que tudo mudou.

Quando minha transformação começou eu senti cada osso do meu corpo se quebrar e se remontar, os pelos cresceram e os caninos aumentarem, todo meu corpo estava mudando e ganhando a forma de um lobo, assim que eu não sentia mais dor, quando meu corpo já havia mudado completamente e eu consegui levantar minha cabeça e olhar para minha família que meu mundo desabou, os olhos dos meus pais que antes estavam transbordando orgulho agora era possível observar nitidamente a decepção, no começo eu não entendi por que me olhavam daquela maneira, só entendi quando olhei no grande espelho do salão que estava logo atrás dos meus pais, a minha forma de lobo era pequena demais para um alfa, e foi que eu reparei no cheiro que minha loba estava exalando, era um cheiro de submissão e aquilo significava apenas uma coisa, eu era uma ômega.

Após aquele dia tudo mudou, toda a minha família me ignora. Eu tomava meu café, almoçava e jantava na cozinha sozinha, ia para a escolha no ônibus escolar, voltava para casa e me trancava no quarto ou na biblioteca.

Quando meu pai finalmente resolveu falar comigo, foi para me informar que já que eu não era uma alfa e não poderia orgulhar minha família eu seria dada em casamento para o herdeiro da família Foster, poucos dias antes de completar 18 anos eu me casaria com ele e quando tivesse meu primeiro cio ele iria me morder, assim me marcando como sua para sempre.

E assim eu segui com a minha vida solitária, sendo ignorada pela minha família, nunca mais comemoram meus aniversários ou até mesmo falaram comigo, meus irmãos se casaram e saíram de casa e começaram suas próprias famílias.

Às vezes eu via o herdeiro Uzumaki pela escolha, ele era um ano mais velho que eu, era alto com cabelos loiros e olhos azuis sempre que ele tentava se aproximar e puxar conversa comigo eu o ignorava e seguia para longe dele. Ele sempre foi o centro das atenções da escola, como herdeiro de uma das maiores famílias de alfas, todas as garotas do colégio viviam atrás dele, mal sabia elas que ele já estava prometido em casamento. Nunca permitir sua aproximação, é extremamente revoltante a situação em que me encontro, um homem que eu não amava iria me marcar como sua e eu teria que passar o resto da minha vida com ele, fazendo suas vontades sempre e sendo submissa.

Quando um lobo ômega é marcado por um alfa, ele fica submisso a todos os seus comandos, é praticamente impossível desobedecer a ordem do seu alfa, o simples pensamento de desobediência causa uma dor sufocante nos ômegas. E eu nunca quis esse tipo de relação opressora.

Hoje estou fazendo 17 anos, e como sempre não teria festa. Ouvi uma das empregadas da casa falando que hoje meus pais receberam os alfas das famílias Uchiha e Uzumaki para uma reunião sobre possíveis negócios entre as famílias. Ou seja, eu teria que jantar no meu quarto, não queria de forma alguma encontrar meu futuro marido pela casa.

Logo pela manhã eu tomei um bom banho, penteei meus longos cabelos rosados que batiam na altura do meu quadril, fazendo uma trança embutida. Quando sai do banheiro fui direto para o meu guarda roupa e peguei o primeiro vestido que vi, hoje o dia estava extremamente quente então optei por um dos meus vestidos de verão.

De frente para o espelho observei como o vestido de alcinha verde água que batia um pouco acima do joelho, fazia meus quadris parecerem maiores do que o de costume, meu corpo se desenvolveu muito cedo como toda garota lobo, mais ao contrário da maioria que eram altas e magras com corpo de modelo, eu sou baixinha com o quadril largo, coxas grossas e um bumbum avantajado, já meus seios eu diria que são de tamanho mediano se comparados as outras garotas da minha idade. Eu sempre me achei bonita, apesar de estar fora do padrão de beleza das mulheres lupinas. Por fim, calcei uma sandália aberta dourada que possuía um pequeno salto. Já que eu teria que almoçar e jantar no meu quarto, aproveitaria a parte da manhã para tomar café na biblioteca e pedir à cozinheira que mandasse minhas próximas refeições para meu quarto.

A biblioteca da casa era enorme, possui diversas prateleiras de livros com várias poltronas espalhadas pelo cômodo, o cheiro de livro sempre me trouxe uma sensação maravilhosa de paz. Esse sempre foi meu lugar favorito na casa, ali eu não me sentia completamente sozinha, eu tinha a companhia de poetas e romancistas incríveis, além do meu quarto ali era o lugar em que eu passava a maior parte do tempo, sempre entretida com algum livro.

Passando minhas mãos pelas prateleiras abarrotadas de livros, eu lia cada um dos títulos em busca da minha próxima leitura, meus olhos pararam no meu livro favorito com o título “orgulho e preconceito”, esse era o escolhido para a leitura da tarde, só Jane Austen para alegrar esse dia.

Sentada na minha poltrona favorita que ficava de frente para uma grande janela eu folheava o livro e devorava página atrás de página. Enquanto lia comecei a sentir um calor subindo pelo meu corpo e um formigamento em minhas partes íntimas, isso realmente era muito estranho, mesmo tentando ignorar a cada segundo a sensação estava se tornando insuportável.

O calor descia como ondas até minha intimidade, que pulsava me causando uma leve sensação de choque, eu tenho quase certeza que minha intimidade estava molhada. Eu só poderia estar ficando doente. Não aguentando mais aquela sensação eu me levantei da poltrona, e ao levantar meu olhar para a janela constatei que já estava anoitecendo, acabei me distraindo com a leitura e perdi a noção de tempo, provavelmente os convidados já haviam chegado e estavam agora mesmo conversando na sala de reuniões do meu pai.

Desesperada para chegar o mais rápido possível no meu quarto dei passos apressados até a porta, mais tive que parar no meio do caminho, o calor estava aumentando e agora eu tinha a total certeza de que minha intimidade estava molhada, não apenas molhada ela estava pingando sua lubrificação, mesmo com a calcinha eu sentia meu liquido escorrer pelo meio das minhas pernas.

Eu sempre me considerei muito inteligente, então eu não poderia me enganar sobre o que estava acontecendo, eu não estava ficando doente, aquilo não parecia com nenhum sintoma de doenças que eu poderia me lembrar.

Foi questões de segundo para me tocar do que estava acontecendo, mas aquilo era impossível, tinha que ser, isso só acontecia quando se completava 18 anos, mesmo tentando me iludir pensando que eu poderia estar com uma doença desconhecida, eu teria que admitir de uma vez, eu estava tendo meu primeiro cio, já ouvi falar de alguns poucos lobos que entraram no cio antes da idade normal, mas nunca pensei que isso aconteceria comigo.

Continuar lendo
img Baixe o aplicativo para ver mais comentários.
Mais Novo: Capítulo 2 Segunda parte   04-30 13:02
img
Baixar App Lera
icon APP STORE
icon GOOGLE PLAY