Baixar App hot
Início / Bilionários / O teu encontro às cegas, era eu pai
O teu encontro às cegas, era eu pai

O teu encontro às cegas, era eu pai

5.0
74 Capítulo
120.5K Leituras
Ler agora

Sinopse

Índice

Jenna, uma filha exemplar, vive sozinha com o seu pai, que a criou com muito amor, disciplina e responsabilidade. Mark Black, um homem muito íntegro que ficou viúvo muito jovem, mas que não assumiu outro compromisso para com a sua filha, para viver feliz. Mas a vida é assim, ambos contactaram uma empresa de encontros às cegas, onde não falavam, usavam máscaras que não lhes permitiam reconhecer nada da identidade um do outro, sem o saber, faziam algo que causaria dor, arrependimento, lágrimas. Mesmo assim, existe uma verdade não revelada que, no final, fará com que as suas vidas mudem na sua totalidade. Qual será essa revelação? Que verdade será essa revelação? Descobre quando leres este romance controverso. Onde descobrem que o sexo é feito com quem pode ser algo para si, mas nenhum deles sabe nada sobre o outro, pois tudo é feito em silêncio e com máscaras, mas também há ditos como "NADA É O QUE PARECE". O amor ultrapassará obstáculos muito difíceis e os seus protagonistas terão de ter força para os ultrapassar, porque às vezes a amizade e a fidelidade é algo temporário, às vezes a pessoa que se tem de cuidar é a pessoa que se aprecia mais, os amigos nem sempre são o que parecem e dizem que o amam. Porque por vezes a amizade é camuflada no seu pior inimigo.

Capítulo 1 N° 1

Mark é um CEO, proprietário da sua própria empresa de computadores, bem sucedido, felizmente casado com Judith Carlson. Amaram-se desde crianças, muito jovens fizeram sexo numa festa onde os seus chamados "amigos" enchiam as suas bebidas de êxtase e os seus pais optaram por casar com eles, pois ainda eram menores de idade.

Ambos tinham 17 anos de idade e ela estava grávida de 3 meses. O seu verdadeiro amor tinha sucumbido ao carnal numa noite em que apenas se beijaram, mas o corpo e a paixão bloquearam as responsabilidades, a ordem e a disciplina, só quem soubesse amar compreenderia o que aconteceu naquela noite, porque quando terminaram, ambos choraram quando se aperceberam do que tinham feito. Contudo, choraram por terem falhado os seus pais que lhes tinham pedido para esperarem até completarem 18 anos, mas não sabiam do ardil dos seus amigos, que a droga tinha acendido a libido de ambos.

As duas famílias, amigos e convidados do casamento felicitaram-nos porque sabiam do seu grande amor e ninguém os tinha criticado por terem dado este grande passo na sua relação. A sua felicidade era ainda maior quando no altar ouviram o padre dizer: "Declaro-vos marido e mulher, podeis beijar a noiva".

Beijaram-se com verdadeiro amor, com a paixão do amor, olharam-se nos olhos um do outro e pareceram crianças pequenas quando se abraçaram e saltaram para cima e para baixo dizendo: "Agora somos marido e mulher vivos".

Os seus pais, padrinhos e outros riram-se enquanto os ouviam e observavam a saltar. A sua inocência era evidente para todos verem, eles aplaudiram-nos, apoiando a sua felicidade, deixaram a igreja de mãos dadas. Lá fora, uma chuva de arroz estava à espera deles, atirada por amigos do casal. Na recepção, dançaram a sua primeira valsa, sorrindo enquanto o faziam, depois mais pessoas saíram e juntaram-se à dança romântica.

David Fisher, um amigo mútuo da escola, convidou a noiva para dançar, ambos dançaram ao som da música. David aproximou-se um pouco mais do ouvido de Judith e disse algumas palavras que deixaram a nova noiva perplexa, mas deixaram-na com dúvidas de que mais tarde ela as esqueceu e estas foram as palavras de David.

"Na festa conheci-te por completo, que pele macia e que toupeira bonita que tens é linda..... Danças muito bem'.

Acabaram de dançar, David juntou-se a ela para deixar o lado do marido e continuou a dançar com os outros convidados, já que ele nada fez para os observar, Judith logo esqueceu o que ele disse. Mark beijou-a a cada momento e pediu-lhe para dançar com palavras de amor, o que a fez esquecer completamente as palavras do seu colega de classe.

Foram em lua-de-mel, fizeram uma digressão pela Europa, viajaram num navio de cruzeiro, as suas noites de paixão foram muito quentes. Foram muito felizes, desfrutaram o máximo que puderam, esses 15 dias foram todos felizes, percorrendo cidades parisienses, alemãs, russas e acabaram nas Caraíbas. Quando regressaram, foram recebidos com grande alegria e felicidade, pois chegaram dois dias antes do seu 18º aniversário.

Tinham recebido um grande acolhimento, uma vez que a posição económica de ambas as famílias lhes permitia gastar muito dinheiro. Dançaram, celebraram, riram, mas mais uma vez um dos convidados dançou com Judith e foi David quem sorriu e disse.

"Linda Judith novamente estou a dançar contigo, és uma mulher muito bonita, como Mark é sortudo por te amar e por te ter. No entanto... Não foi ele quem provou os doces quando abriu o invólucro! Uau, mas ele ama-te loucamente, olha para ele, os seus olhos não conseguem parar de te observar, hahahaha como és mulher, dança, diverte-te, vive a vida ao máximo, Judith".

Ela sorriu sem dar importância às suas palavras e dançou muito feliz, depois David fez sinais a Mark para vir dançar com a sua mulher, algo que nem tolo nem preguiçoso o fez rapidamente. Tomou Judith pelas mãos e continuou a dançar com ela perto do seu corpo, enquanto o acima mencionado foi sentar-se para os observar. Ninguém reparou no seu sorriso sardónico, um sorriso que revelou muito que ninguém mais sabia e que não era o único que os observava assim.

Sobre uma bela mesa muito bem arranjada estavam dois bolos enormes, acenderam as velas para que as soprassem a cantar os parabéns a que quando terminassem o fizeram. Sorrindo os cônjuges, o pai de Mark aproximou-se, aplaudindo o casal e dando-lhes alguns documentos que foram a entrada em Harvard para estudar Administração de Empresas, algo que fez os cônjuges muito felizes. Iriam para lá viver num edifício dos seus pais para que ele ficasse perto da sua família, os aplausos eram ensurdecedores.

O dia em que tiveram de partir, quando chegaram entraram no seu apartamento, era o maior e mais luxuoso, abraçaram-se muito alegremente. No dia seguinte foi no seu carro visitar a sua sala de aula e outras, enquanto Judith com a ajuda de um amigo arranjou o apartamento ao seu gosto. Quando terminaram, a sua amiga regressou a casa.

Passaram-se meses e chegou o dia em que ela deu à luz. Por sorte, ela não estava sozinha quando as suas águas rebentaram, a sua mãe e a sua sogra estavam lá. Chamaram a ambulância, que a levou para a clínica privada onde fez os seus check-ups pré-natais. Aí ela teve uma cesariana, dando à luz uma bela menina, a quem deram o nome de Jenna Black Carlson. Os anos passaram rapidamente, e o dia da graduação chegou após cinco anos de estudo. Já era um Director Executivo certificado com o diploma de ser o melhor da sua turma. No mesmo dia celebraram tanto o seu 23º aniversário como o 5º aniversário da sua amada filha que estava a bater palmas enquanto cantavam os parabéns, eram uma bela família feliz!

Enquanto Mark estava a estudar, o seu pai tinha fundado uma nova empresa para lhe dar a ele e à sua amada nora e à sua bela neta, a querida de todos.

Voltaram novamente à sua nova casa, também um presente, mas desta vez da parte dos pais de Judith. Era uma bela e enorme mansão, e eles tinham o seu pessoal e guardas no local de antemão. Acabaram de se instalar, todos estavam felizes, a sua filha cantava, dançava, sorria um sorriso cativante para todos. Tinham tentado ter outro filho, mas não conseguiram, na clínica deram-lhe a má notícia de que ela tinha perdido a capacidade de ser mãe, resignaram-se, mesmo assim, tinham o seu pequeno amor ao seu lado, ela era muito inteligente.

Contudo, quando a felicidade é bela, há sempre factores externos que insistem em acabar com ela e de que forma, Judith encontrou David no banco, que esperou que ela terminasse o seu trabalho e aproximou-se dela quase à saída, pois ele era o Gerente os guardas não interferiram e saudaram-na.

"Olá Judith, posso falar-lhe por um momento?", ela reconheceu-o imediatamente, deu-lhe um sorriso e aceitou-o dizer.

"Olá David, perdeste-te, sobre o que gostarias de falar comigo?"

David apertou-lhe a mão e levou-a a algumas cadeiras de espera, elas sentaram-se juntas quando ele começou a falar com ela, pareceu hesitante, mas comentou:

"Judith ehm.... agora que estou mais maduro, decidi contar-vos ou melhor, confessar-vos algo".

Quando Judith lhe disse que Judith olhou para ele com espanto e lágrimas espessas começaram a sair dos seus olhos, ela cobriu o rosto sem querer acreditar no que tinha acabado de ouvir, Davis também chorou a dizer

"Perdoa-me Judith, eu comportei-me da pior maneira, era tão jovem e.... Não tenho qualquer justificação Judith, pode perdoar-me...? Agora que sou casado e conheci o amor, percebi que era o pior, podes perdoar-me?"

Judith olhou para ele primeiro com tristeza, mas reagiu dando-lhe uma bofetada feroz e disse com muita raiva.

"Odeio-te, como pudeste? Meu Deus, não pode ser verdade e Mark? Eu amo-o... Não sei se te posso perdoar David, o que fizeste é a coisa mais cruel e mais baixa".

David já não lhe podia responder porque nesse preciso momento alguns criminosos entraram para assaltar o Banco, alvejaram os guardas, ameaçaram os caixas. Tentou proteger Judith atrás do seu corpo, mas um deles reconheceu-o como gestor do banco e apontou-lhe para abrir o cofre. David recusou, mas eles tinham-nos visto falar porque um informador estava lá dentro e ele ligou ao chefe dos assaltantes no seu telemóvel, depois agarrou Judith e apontou-lhe uma arma à cabeça, ameaçando-a.

"Abre esse maldito cofre ou eu ponho uma bala na cabeça do teu 'amiguinho'".

David, sob pressão, não querendo ser ferido, foi e abriu o cofre. Os outros criminosos esvaziaram-na, mas o que tinha a arma apontada à cabeça de Judith não a largou, por isso David exigiu.

"Já tem o que queria, por favor deixe-a ir.

O homem respondeu.

"Não! depois de todos eles saírem".

Mas o desespero fez soar o alarme a um dos caixas.

O chefe que tinha Judith na sua posse ordenou aos seus camaradas:

"Maldição! Saia agora, agora, por não fazer o que lhe pedi, vou matá-la hahahaha"!

Ao ouvir isto, David estava muito próximo do delinquente, atirou-se para cima dele, fazendo-o largar Judith e rolando ambos no chão, mas a arma não os largou. Até uma detonação ser ouvida e ao horror de Judith, David foi quem caiu ao chão ensanguentado. O infractor percebeu que tinha sido baleado e fugiu em pânico, mas lá fora, desencadeou-se uma grande batalha de armas entre a polícia e os infractores, e todos os assaltantes foram mortos.

Dentro do banco, porém, Judith veio chorar ao lado de David e disse com veemência:

"Por favor... Judith, perdoa-me".

Ele já estava a olhar para ela com o seu olhar quase perdido pois estava a morrer, a bala tinha-lhe atravessado o coração.

Judith abraçou-o contra ela, manchando-se com o seu sangue, mas ela respondeu com muita tristeza.

"Eu perdoo-te David, eu perdoo-te".

Recebendo um "obrigado" quase inaudível, ele morreu nos braços da sua amiga que chorava a perda dele, pois era uma amiga que, apesar de ter cometido uma atrocidade, o amava muito.

A notícia alertou todos e ainda mais Mark, que ao ver a sua mulher ensanguentada, deixou o escritório e correu para o elevador. Ele queria estar com ela naqueles momentos críticos.

Como não estava tão longe, chegou logo, ela estava a ser examinada na ambulância e estavam a tirar o corpo de David embrulhado numa capa preta, Judith chorava pela impressão que tinha e por ver o seu amigo morrer nos seus braços e foi defendê-la.

Quando Mark chegou, disse ele:

"Amor, estás bem?

Ao que ela olhou para ele e respondeu.

"Agora que estás aqui sim amor, mas eles mataram David, ele só me queria defender, eles iam matar-me Marck! Ele matou-o, matou-o!"

Marck abraçou a sua esposa dando-lhe coragem e conforto, a polícia aproximou-se, tomaram o seu depoimento, agora mais calmo, pois o seu marido estava lá. Quando a verificaram e não viram lesões, deixaram-na ir para casa. Enquanto ela ia para casa para descansar, David foi para a morgue para descansar em paz, mas primeiro livrou-se de um fardo que tinha, confessando a Judith o que ele sabia e ela decidiria o que fazer com essa informação.

Judith descobriu um segredo que nunca imaginou existir, um segredo muito doloroso que terminou em tragédia, uma vez que a sua protagonista morreu a defendê-la dos ladrões, decidirá ela o que fazer agora com essa informação, dirá ela ao seu marido? Ou guardará o segredo para si própria, porque essa é uma decisão que só lhe diz respeito.

Continuar lendo
img Baixe o aplicativo para ver mais comentários.
Mais Novo: Capítulo 74 N° 74   10-16 10:16
img
1 Capítulo 1 N° 1
08/12/2022
2 Capítulo 2 N° 2
08/12/2022
3 Capítulo 3 N° 3
08/12/2022
4 Capítulo 4 N° 4
08/12/2022
5 Capítulo 5 N° 5
08/12/2022
6 Capítulo 6 N° 6
08/12/2022
7 Capítulo 7 N° 7
08/12/2022
8 Capítulo 8 N° 8
08/12/2022
9 Capítulo 9 N° 9
08/12/2022
10 Capítulo 10 N° 10
08/12/2022
11 Capítulo 11 N° 11
23/12/2022
12 Capítulo 12 N° 12
23/12/2022
13 Capítulo 13 N° 13
23/12/2022
14 Capítulo 14 N° 14
23/12/2022
15 Capítulo 15 N° 15
23/12/2022
16 Capítulo 16 N° 16
23/12/2022
17 Capítulo 17 N° 17
23/12/2022
18 Capítulo 18 N° 18
23/12/2022
19 Capítulo 19 N° 19
23/12/2022
20 Capítulo 20 N° 20
23/12/2022
Baixar App Lera
icon APP STORE
icon GOOGLE PLAY