Baixar App hot
Início / Romance / As duas faces do meu chefe
As duas faces do meu chefe

As duas faces do meu chefe

5.0
76 Capítulo
897.4K Leituras
Ler agora

Sinopse

Índice

Hana Ravallo sempre foi uma mulher exemplar, uma mãe maravilhosa que dedicou toda a sua vida a Daisy, sua filha. O que Hana nunca imaginou foi presenciar seu marido a traído. Mergulhada na dor da traição e do abandono se viu obrigada a buscar novos meios para criar sua filha, mas o que ela nunca imaginou foi ser aceita em uma das maiores produtoras e exportadoras de vinho do Rio de Janeiro, a empresa Drevitch. Layonel Lincoln Drevitch é CEO da maior indústria de vinho do Rio de Janeiro e apesar de amar o cargo que exercer, oculta do mundo, segredos que o abalam diariamente. Com um passado conturbado e uma imagem a zelar, finge ser um homem que não é, escondendo-se atrás de ternos feito sob medida e uma vida de luxo que ele nem mesmo se importo, mas isso muda quando uma linda mulher de olhos cor de mel balança seu mundo construído de aparências.

Capítulo 1 Prólogo

Frase

Saboreiem do amor tudo o que um homem sóbrio saboreia do vinho, mas não se embebedem.

- Alfred de Musset

Prólogo

Sete meses antes.

A vésperas de Natal combinei com Jana de irmos ao shopping, o Rio estava movimentado, as ruas cheias de pedestres em busca dos preparativos para ceia, mas esse ano tive a brilhante ideia de comprar uma árvore de natal maior, pois queria proporcionar a Daisy uma nova experiência, enfeitar nossa casa com mais luzes e colocar os presentes embaixo da árvore. Ivan não gostou muito da ideia, disse que são coisas desnecessárias, gasto de dinheiro atoa para um dia que passará tão rápido, mas tenho certeza que nossa filha irá amar a surpresa.

Claro que não discordo com o fato de ser um gasto a mais, mas não considero desnecessário como Ivan diz, sempre amei a época de natal e para mim é um dos melhores feriados do ano por isso quero que Daisy tenha essa mesma sensação de amor, paz e prosperidade, mas para Ivan tudo isso é irrelevante, para ser sincera nossas brigas têm se tornado frequente e a cada dia que se passa ele está mais distante.

Ivan sempre foi um homem amoroso, carinhoso e gentil, gostava de sair e passear, levar nossa filha em um pequeno ressorte a alguns quilômetros do Rio, uma fazenda aconchegante, mas nos últimos três meses as coisas estão bem diferentes, sua mudança brusca de humor as vezes me assusta e sinceramente não sei ao certo o que devo fazer quanto a isso, mas sinto falta do homem que ele já foi, pois ultimamente as coisas estão de ponta cabeça e talvez esse seja o motivo maior de querer tornar nosso natal ainda mais especial, mostrar para Ivan a família linda que ele tem.

Jana e eu aproveitamos as compras no shopping o máximo que podíamos, compramos tudo que uma boa árvore de natal precisa e acredito que Daisy se encantará com os pequenos enfeites de papai noel que compramos, além das luzes coloridas para enfeitar a árvore e deixa-la ainda mais bela, tenho certeza que os olhos da minha menina irão brilhar de alegria e ansiedade ao nós ajudar a montar tudo.

Mesmo ansiosa para chegar em casa e começar os preparativos junto a Daisy, resolvo fazer uma surpresa para Ivan na tentativa de reconciliar a briga que tivemos ontem à noite. Deixando Jana em sua casa sigo para a livraria que vem se destacando entre os comércios da cidade, a Mr. Book ainda é pequena, mas vem se destacando entre as outras por ter um espaço aconchegante e silencioso para os leitores usufruírem por tempo ilimitado. Faço questão de ajeitar meus cabelos, passar um batom suave nos lábios e retocar a maquiagem, queria estar apresentável, até mesmo abusei do salto alto está tarde como apelo, pois sei que Ivan adora.

Ao chegar sou recepcionada por Amanda que cuida da limpeza, acho estranho ela estar no lugar da secretaria, mas resolvo não questionar, afinal, talvez Karina precisou ir em algum lugar.

-Senhora, posso ajuda-la? –Pergunta com um sorriso no rosto, mas visivelmente inquieta.

-Amanda, tudo bem? Karina precisou sair? –Questiono e ela aperta as mãos em um sinal de desconforto.

-Ela só me pediu para ficar no lugar dela por alguns minutos.

-Tudo bem, você saberia me dizer se Ivan está em reunião?

-Não senhora.

-Por favor me chame de Hana, isso faz com que eu me sinta tão velha. –Acabo rindo e ela concorda ruborizando.

-Me desculpe, Hana. –Ela olha para trás apreensiva e ergo a sobrancelha a observando.

-Aconteceu alguma coisa Amanda? Você parece meio assustada.

-Não é que o senhor está meio ocupado agora, talvez devesse voltar mais tarde. –Sorri sem graça.

-Ivan está no escritório? –Pergunto desconfiada.

-Sim senhora. –Ela desvia o olhar.

-Com quem Amanda? Me diga. –Sinto o nervosismo tomar conta do meu corpo e a sensação desconforto me dominar.

Já desconfiava que ele estivesse me traindo, mas aqui, bem aqui embaixo do meu nariz era demais para mim.

-Pode deixar que eu tiro minhas próprias conclusões. –Afirmo caminhando para os fundos em direção ao escritório de Ivan. O som do meu salto ecoa pelo piso que imita madeira seguindo as batidas frenéticas e descompassadas do meu coração.

Ao meu aproximar escuto barulhos estranhos e gemidos exagerados o que faz meus olhos se enxerem de lágrimas, a dor se espalha por meu peito e tremores de ódio e raiva tomam meu corpo. Apesar das nossas brigas e das minhas desconfianças nunca acreditei que Ivan teria coragem de me trair.

Os sons aumentam e a dor desesperante em meu peito também, as lágrimas já rolavam solta e sei que deveria ir embora, mas algo me impulsionava a ver com meus próprios olhos, a ter a absoluta certeza de que ele realmente estava fazendo aquilo, estava destruindo o nosso casamento, a nossa família por momentos e quando vejo já abri a porta do escritório confirmando com meus próprios olhos o que meus ouvidos já sabiam.

Ivan segurava Karina debruçada sobre a mesa de madeira enquanto movia o quadril com força, os gemidos que ecoam de sua garganta me enojam e o prazer estampado em seu rosto me causa ânsia. O suor escorre do rosto de Ivan enquanto ele segura os cabelos de Karina com força e ódio só cresce em meu peito.

Ódio por todas as nossas brigas, por todas as vezes ele me chamar de louca quando desconfiei dos cheiros de perfumes femininos que vinha em suas camisas, por todos as noites que ele me recusou quando o procurei.

-Hana? –Saio do meu torpor quando vejo Ivan procurando as calças e Karina tentando tampar sua nudez com a camisa preta com detalhes vermelhos que eu dei de presente para ele no seu último aniversário.

O ódio que sentia era tanto que minha única vontade era avançar em Ivan e esbofeteá-lo até sentir minhas mãos doerem, entretanto contenho minha raiva fecho a porta e sigo em direção a saída a passos rápidos e descidos.

-Hana minha flor. –Ouço Ivan gritar e bato a porta de entrada com força o deixando lá dentro.

O ódio só aumenta ao ouvir aquele apelido que tinha tanto significado para mim, já que foi escolha dos meus pais por amar a cultura japonesa escolher um nome com esse significado. Sabendo disso, Ivan sempre me chamou de minha flor, confesso que gostava do gesto de carinho e me sentia especial, mas agora o odeio com todas as minhas forças.

Mal vejo os pedestres que caminham e acabo trombando em alguns, as lágrimas embasando minha visão e a dor consumindo cada cantinho do meu coração não colabora em nada. Já estava caminhando a um bom tempo sem rumo e sei que preciso ir para casa, mas deixei o carro no estacionamento da livraria, como não queria voltar até lá para busca-lo chamo o primeiro táxi que vejo passando meu endereço para o homem que me observa com preocupação.

Nessa altura minha maquiagem já estava borrada, o rímel preto escorrido, além da vermelhidão em meus olhos, ignoro aqueles fatos e peço apenas para que ele siga em frente, mas ele insiste em puxar conversa.

-Dia difícil dona? –Questiona me observando pelo retrovisor.

-Você não faz ideia. –Dou um meio sorriso cheio de sarcasmo, pois “difícil” era apenas apelido para aquela situação caótica.

Com uma expressão de compaixão estampada em seus olhos o motorista segue em silencio e aproveito para me encolher no banco do carro chorando minhas frustrações, lembrando dos bons momentos que tive com Ivan e pensando em como contaria para nossa filha que o pai não moraria mais na mesma casa que nós. O pai que ela tanto venera e que ultimamente tem a ignorado, evitado suas brincadeiras e até mesmo se irritado quando na verdade nossa filha só queria um pouco de atenção.

Ivan não é mais o mesmo homem, não é o homem que conheci aos meus dezoito anos, não é o homem que me fez juras de amor e promessas de uma vida eterna a dois. Ele mudou e posso afirmar que não foi para melhor, muito pelo contrário, pois nossas noites de cinema, sábados no shopping e domingos em família se acabaram e depois de hoje realmente não teria mais volta.

Depois de alguns minutos dentro do carro perdida em pensamentos, finalmente chego em casa, pago o motorista e entro desolada vendo minha pequena garotinha entretida na televisão ao lado de Bárbara sua babá.

Bárbara se levanta ao me ver e franze as sobrancelhas ao me observar naquele estado. Uma enxurrada de pensamentos me invade e quando vejo as lágrimas que haviam cessado tornam a escorrer novamente.

-Aconteceu algo senhora? –Ela pergunta preocupada. –Está passando mal?

Nego com a cabeça e ela continua a me observar caminhando em minha direção.

-Ivan apareceu por aqui? –Pergunto.

-Não senhora. –Afirma e um sentimento de alivio e magoa me consome.

Alivio por saber que ele não tinha aparecido e eu não precisaria vê-lo e magoa pelo mesmo motivo, pois isso só mostra o quanto ele está desinteressado no que construímos e apesar de saber que nossa vida a dois estava de ponta cabeça, que as brigas eram constantes e amor havia esfriado, eu lutei pelo nosso casamento, me arrumei todas as tardes, investi em nós dois, em conversas ignoradas, em tentativas de aproximação frustradas, em lingeries sensuais ignoradas, eu sei que eu tentei e acreditei que seria apenas uma fase ruim que passaria, mas a verdade é que ele já tinha outra.

-Está tudo bem, por favor fique com Daisy por mais um tempo, preciso resolver algumas coisas.

-Claro. –Ela me observa preocupada, mas não insiste no assunto o que eu agradeço, pois não estava com cabeça para explicar tudo o que estava acontecendo, nem com ânimo para ficar cutucando a ferida aberta ao contar para as pessoas, minha própria mente já faz isso com as imagens dos dois nus gravados em minha mente.

Sigo para nosso quarto abrindo a porta do guarda roupa com um ódio tão grande que uma das partes estala, mas não quebra. Sem um pingo de delicadeza junto todas as camisas de Ivan as jogando no chão, esvazio as gavetas e tudo que pertencia a ele fazendo um monte ao lado da cama. Ao terminar pego três sacos de lixo jogando tudo dentro, amarro a boca do saco e jogo na varanda junto com seus sapatos e tudo que pertencia a ele.

Apesar de não saber o que estava acontecendo em detalhes Bárbara entende a situação e me ajuda com a limpeza que iniciei em minha vida. Jogando as roupas de Ivan porta a fora de uma única vez e se possível nunca mais ver sua cara deslavada em minha frente.

Depois de ter dispensado Bárbara, dado janta para Daisy e a aconchegado em meus braços, Ivan apareceu umas três horas depois bêbado, insistindo em entrar para conversarmos quase derrubando a porta da frente com socos insistentes dos quais ignorei.

Daisy que já estava dormindo acordou assustada e perdida. A abraço com carinho apoiando seu rosto em meu peito e tento explicar a situação da melhor maneira possível, mas ela ainda era pequena para entender de fato o que estava acontecendo.

-Mamãe? –Ela me observa com os olhinhos assustados.

-Calma meu amor o papai não queria assustar você volte a dormir que a mamãe já vem. –Sussurro beijando seus cabelos e ela concorda um pouco indecisa.

Sabendo que Ivan não iria embora vou até a porta da frente com vontade de abri-la e esbofetear a cara de Ivan, mas controlo minha raiva interior respirando profundamente.

-Vai embora Ivan.

-Hana abra a porta e vamos conversar. –Sua voz arrastada pelo excesso de bebida me deixa ainda mais irritada.

-Não temos o que conversar, pegue suas roupas e me deixe em paz. Já vi o suficiente por hoje, apenas me deixe em paz e resolveremos tudo isso com o divórcio.

-Você não pode fazer isso Hana. –Ele bate na porta me assustando.

-Você fez sua escolha, apenas pegue suas coisas e resolveremos isso com um advogado. –Afirmo e Ivan não parece muito contente com minha resposta.

-Você vai se arrepender Hana. –Ele grita e apenas saio deixando-o ali.

Ao chegar no quarto Daisy ressonava em silêncio e minha única reação é me deitar ao seu lado abraçando-a com carinho.

Sei que não será fácil o caminho de agora em diante, mas não medirei esforços para conseguir dar o de melhor para minha filha, sendo assim, lutarei pelos nossos direitos e seguirei em frente sem Ivan.

***

-Decreto a divisão dos bens. –A voz imponente do juiz reverbera pelo tribunal encerrando a briga de Ivan em querer a casa que moramos para ele, além de se recusar em dar pensão para filha durante esses sete meses de separação.

A felicidade borbulha em meu peito ao perceber que ganhei aquela causa, mas o olhar de fúria que Ivan me direciona percorre minha pele como calafrios. Ele não consegue esconder o ódio por trás de seus olhos ao me ver tomando metade de seus bens, não que fossem muitos, mas dava para comprar uma casa boa e seguir em frente com nossa filha.

Juan, meu advogado me abraça animado por termos ganho e vejo Ivan serrar os punhos irritado com a atual situação em que se encontra, mas o ignoro comemorando minha vitória.

-Demorou mais do que prevíamos, mas conseguimos acabar com tudo isso. –Ivan sorri apoiando a mão em meu ombro.

-Obrigada pela ajuda, obrigada por lutar por mim e pela minha filha. –Agradeço de coração, pois todos aquelas que achei que fossem amigos virou as costas no momento em que mais precisei e é exatamente nesses momentos que sinto saudades dos meus avôs e dos meus pais, pois sei que eles estariam comigo nessa fase difícil, mas infelizmente o que resta são apenas lembranças e saudades.

-Que isso Hana estou apenas fazendo o meu trabalho, além disso Ivan só cavou a própria cova não pagando a pensão de Daisy.

- Aguentei por três anos humilhações e chacotas por medo de não conseguir criar minha filha sozinha, mas tudo nessa vida tem um limite e pegar Ivan com a secretaria foi o meu. Sei que ele está com ódio por ter que dividir tudo, inclusive a livraria que estava crescendo, mas a culpa é totalmente dele e não minha. –Afirmo.

-Não fique pensando sobre essas coisas, você pode comprar a casa agora e estou realmente feliz por isso.

-Sim, não pagar aluguel já um ótimo começo, mas Daisy sente muito a falta do pai, isso me entristece sabe? Vê-la pedindo por ele, mas Ivan tem ignorado todas as minhas ligações para pelo menos ver a filha. –Falo com pesar e Juan solta o ar com força.

-Não vamos pensar sobre isso, apenas vamos comemorar sua vitória. –Ele sorri apertando a mão em meu ombro em conforto.

Concordo sorrindo e assim como Juan disse comprarei uma boa casa em um bairro familiar que não apresentasse riscos para mim filha, não sobraria muito dinheiro depois desse investimento, mas nos manteria bem por alguns meses até que finalmente conseguisse um emprego para suprir as nossas necessidades.

Continuar lendo
img Baixe o aplicativo para ver mais comentários.
Baixar App Lera
icon APP STORE
icon GOOGLE PLAY