Baixar App hot
Início / Aventura / Um Bebê Para O Mafioso Русский
Um Bebê Para O Mafioso Русский

Um Bebê Para O Mafioso Русский

5.0
43 Capítulo
155.9K Leituras
Ler agora

Sinopse

Índice

Ela nunca deveria entrar no meu clube. Mas ela fez. Eu não deveria ter olhado duas vezes para ela. Mas eu fiz. O submundo do crime não é lugar para uma garota como ela. Uma noite com Katerina não é suficiente, mas homens como eu não podem se dar ao luxo de serem fracos. Então, eu digo a ela para me deixar para trás. Ela o faz, mas não antes de ver algo que não deveria. Quando ela se esconde, é meu dever caçá-la. Eu tenho um trabalho a fazer, ela precisa desaparecer para sempre. Mas quatro anos depois, Kat não está mais sozinha. E o garotinho ao lado dela se parece comigo.

Capítulo 1 1

Ela nunca deveria entrar no meu clube.

Mas ela fez.

Eu não deveria ter olhado duas vezes para ela.

Mas eu fiz.

O submundo do crime não é lugar para uma garota como ela.

Uma noite com Katerina não é suficiente, mas homens como eu não podem se dar ao luxo de serem fracos.

Então, eu digo a ela para me deixar para trás.

Ela o faz, mas não antes de ver algo que não deveria.

Quando ela se esconde, é meu dever caçá-la.

Eu tenho um trabalho a fazer, ela precisa desaparecer para sempre.

Mas quatro anos depois, Kat não está mais sozinha.

E o garotinho ao lado dela se parece comigo.

CAPÍTULO UM

KAT

Às vezes, um cheiro irá desencadear uma memória. Pós-barba. Sua marca particular. Outras vezes, é música – como o heavy metal que ele tocava que soa muito parecido com a batida na pista de dança.

Esta noite, tudo ficou mais intenso pela vodka que consumi antes mesmo de chegarmos ao clube. Isso e a pequena pílula que Nina me deu.

Ele não está aqui, digo a mim mesma. Não é possível.

Estou sendo paranoica. E preciso de um pouco de ar.

Depois de fazer o meu caminho para a parte de trás do clube, abro a pesada porta de metal. Estou chocada com o ar frio quando a porta se fecha com um estrondo atrás de mim, bloqueando a música e as pessoas. Encostado na parede de tijolos, olho em volta e encontro os olhos de uma mulher dando a última tragada em seu cigarro antes de largar a bituca e apagá-la sob a bota.

Ela não sorri, mas eu também não, pois seu namorado a leva de volta para dentro.

Minha cabeça está girando. Fechando os olhos, inspiro o que espero que seja uma respiração estabilizadora. O frio ajuda, pelo menos.

A porta se abre novamente e ouço música e vozes. As vozes dos homens.

Abrindo meus olhos, eu me endireito, minhas costas enrijecendo quando eu olho para descobrir que há três deles.

Quando me avistam, param de falar para me acolher, olhando-me abertamente.

Um sorri, então dá um passo à frente. — Cigarro? — Ele estende um maço de cigarros meio vazio.

A boate está cheia, mas somos os únicos do lado de fora.

— Não, obrigada — eu digo, empurrando-os para pegar a porta e deslizar de volta para dentro antes que ela se feche completamente.

Pego meu reflexo em uma das paredes espelhadas e quase não me reconheço com meu novo cabelo. Magenta. Foi uma extravagância, mas você só faz dezenove anos uma vez. Eu procuro Nina no clube e a vejo na pista de dança com alguns caras.

Ela me vê e abre um sorriso. Eu sinto minha boca se esticar em um também e toco meu rosto. Parece entorpecido. Já tomei Ecstasy uma vez antes, mas não senti nada assim.

A música está me afetando. É a batida constante. Meu coração está martelando para acompanhá-la, o cheiro de suor e álcool e muitas pessoas estão me deixando enjoada.

Estou prestes a ir para a pista de dança para dizer a Nina que não me sinto bem quando a porta se abre e os caras que estavam do lado de fora voltam em uma lufada de fumaça de cigarro.

Quando o homem que me ofereceu o cigarro me vê, um lado de sua boca se curva para cima. Ele caminha em minha direção e seus amigos seguem atrás dele.

— Ei, linda.

Eu me viro para ir embora, mas um de seus amigos se move para me bloquear.

— Onde você está indo? — ele pergunta.

Eu mudo de direção, mas o outro está na minha frente agora. Eu me viro novamente, mas sou bloqueada pelo terceiro homem. Eu me sinto tonta quando olho além deles para a pista de dança, mas não consigo mais ver Nina.

Ele está falando de novo, o líder, mas a música está muito alta e suas palavras soam vazias. Eu examino seu rosto, então os rostos de seus amigos. Eles parecem quase demoníacos e atrás deles, a sala está girando em um mar de luzes tecnicolor.

— Com licença — eu digo, tentando empurrar a parede que eles fizeram para me bloquear.

O líder deles entra diretamente na minha frente, me cortando. Quando eu recuo, ele planta as mãos na parede em ambos os lados da minha cabeça, efetivamente me prendendo.

— Não seja assim. Nós só queremos nos divertir.

— Olha, estou aqui com meu namorado — minto.

Ele se inclina para mim. — Eu não vejo um namorado. — Ele deixa seu olhar correr sobre mim. — Na verdade, parece que você está procurando por um do jeito que está vestida.

Estou vestindo preto da cabeça aos pés, calças de couro falso que abraçam minhas curvas um pouco apertadas demais, um top de espartilho, luvas sem dedos de renda que vão até a metade dos meus braços e botas de salto alto com cadarço. Não é fora do comum para este lugar, embora eu tenha emprestado toda a roupa da Nina e definitivamente não seja meu estilo habitual.

— Bem eu não estou. — Eu tento escapar debaixo de seu braço, mas ele apenas move seu corpo, mais uma vez me bloqueando. — Saia de perto de mim.

— Uma dança comigo e meus amigos. Bem aqui. Eu vou primeiro.

Luzes pulsam ao nosso redor, me fazendo sentir doente. Eu caio contra a parede, instável nos saltos altos das botas. Eu não sei o que ele lê nisso, porém, porque a próxima coisa que eu sei, ele está pressionado contra mim.

— Que diabos? — Meus olhos se abrem e eu o empurro. — O que você está fazendo? Eu disse, deixe-me ir!

— E eu disse uma dança.

— Você é surdo? — Eu me ouço perguntar enquanto tento empurrá-lo para trás. As paredes parecem estar vibrando ao meu redor, o baixo batendo na minha cabeça e no meu peito. Ou é meu coração? Eu preciso sair daqui. — Estou avisando para sair de cima de mim.

Ele ri abertamente, seus amigos o seguem como macacos. — Você está me avisando?

— Sim, idiota. Estou te avisando. — Sem um momento de hesitação, eu bato meu joelho em sua virilha.

Ele grunhe, curvando-se, seus braços caem de mim.

No instante em que o fazem, eu me viro e tropeço em seus pés na minha pressa de fugir. Tenho certeza de que cairia de cara no chão se não fosse pelo peito do homem que eu bato direto.

— Uau.

Mãos grandes se fecham em volta dos meus braços, me pegando antes que eu me espalhe, meu nariz bate no meio de seu peito muito duro.

Eu ouço o idiota que acabei de dar uma joelhada murmurar uma maldição atrás de mim.

— Tudo bem, querida? — pergunta o homem que acabei de encontrar com um sotaque que não consigo identificar. É familiar, mas não, ele cheira bem. Não como suor, cerveja ou cigarros.

Pisco, olhando para frente para o que seria sua camiseta branca com gola em V se não fosse a mancha de batom magenta. Combina com o meu cabelo e estragou a camisa dele.

— Eu... — Eu dou um pequeno passo para trás porque ele ainda me tem. Eu viro meu olhar para cima.

Para cima.

A primeira coisa que vejo são seus olhos, lindos e escuros e por um momento, não consigo desviar o olhar.

Ele faz uma pausa também ou eu acho que ele faz pelo menos. E quando eu sorrio, ele sorri de volta, uma pequena covinha se forma em sua bochecha direita. Suaviza suas feições e ilumina seus olhos.

Então a sala ao redor dele fica mais escura, a música e as pessoas muito altas.

— Preciso me sentar. — Eu balanço em meus pés.

Ele murmura uma maldição baixinho e me pega.

— Minha namorada bebeu um pouco demais — o homem de fora diz enquanto agarra meu braço com tanta força que dói.

— Eu não sou...

— Sua namorada, hein? Não é o que parecia um minuto atrás — diz o com sotaque.

Eu olho para a mão em volta do meu braço e abro minha boca para dizer a ele que ele está me machucando, mas antes que eu tenha a chance, aquele com o sotaque me muda, colocando seu corpo parcialmente entre o nosso. Ele nem precisa tocar no cara para fazê-lo soltar. Até eu posso ver que ele é maior, mais malvado, sua linguagem corporal por si só é suficiente para fazer o outro cara recuar um passo.

Meus joelhos dobram novamente, ele aumenta seu aperto em volta de mim, me puxando para o seu lado.

Preciso encontrar Nina e ir para casa. Tento me endireitar, me afastar, mas é como se meu corpo não ouvisse meu cérebro. Meus pés formigam em minhas botas emprestadas. Meu corpo inteiro formigando.

— O que está acontecendo comigo? — Eu pergunto. Não tenho certeza se alguém me ouve porque ninguém responde.

Fecho os olhos e acho que Nina me deu a pílula errada. Se isso é Ecstasy, eu deveria estar me sentindo em êxtase, certo? Eu apenas me sinto fora de controle.

— Tire esses idiotas daqui — aquele com o sotaque diz, olho para cima para ver dois outros caras grandes se movendo atrás do que eu acabei de dar uma joelhada.

Mas então Nina está lá. — Ei, você está bem? — Ela pergunta, olhando para o meu rosto. — Porcaria.

— Acho que preciso ir para casa. — Digo a ela.

Ela olha para quem me tem, uma expressão preocupada enruga sua

testa. — Vamos, vamos sair daqui — diz ela, mas quando eu tento escapar de seu aperto, ele não me solta.

— O que ela tomou? — Ele pergunta a Nina.

— Nada. Só vodca — ela mente.

Eu sei que ele não acredita nela pelo silêncio que se segue. — Quantos anos vocês duas têm, afinal?

Meu olhar dispara para Nina. Não temos vinte e um.

— Nós estamos indo. — Nina tenta me soltar do homem, mas ele não me deixa ir. Seu aperto não dói, não como o outro cara, mas eu sei que não vou a lugar nenhum até que ele permita.

— Você comprou algo de alguém no clube? — Ele pergunta a ela como se ela não tivesse falado nada.

Nina exala, olha em volta e finalmente assente.

— Quem?

— Não quero colocar ninguém em apuros.

— Quem?

Ela aponta.

— Tudo bem. Leve-a para casa. — Diz ele e um de seus homens dá um passo à frente.

— Eu não vou deixar Kat. — Nina diz.

— Kat? — Ele pergunta.

À menção do meu nome, olho para seus lindos olhos escuros. A maneira como ele me estuda, olhos tão intensos, que sinto meu rosto queimar.

— Kat não vai a lugar nenhum — diz ele. Ele ainda está olhando para mim, mas está falando com Nina.

Eu não vou? — Mas...

— Aquele homem de quem você comprou não tem permissão para vender aqui. Não sei o que você tem, mas preciso ficar de olho nela caso as coisas deem errado.

— Nada vai dar errado. Eu vou pegar...

— Você sabe quem eu sou, não sabe, Nina?

Eu me pergunto como ele sabe o nome dela, mas Nina apenas morde o lábio e acena com a cabeça. Eu não acho que ela está surpresa que ele a conheça.

— Quem é ele? — Eu pergunto a ela.

Ela apenas olha para mim, mas não responde.

— Eu não quero ter que chamar a polícia — ele avisa.

— Policiais? — Eu pergunto, de repente em pânico. Usamos identidades falsas. Nós vamos ter problemas.

— Shh. Está tudo bem — ele diz para mim, me aconchegando em seu braço. Seu tom quando fala comigo é diferente de quando fala com Nina e tenho a sensação de que ele está tentando me manter calma.

— Apenas deixe-me levá-la para casa, ok? Você pode mandar um de seus caras nos levarem se quiser. Ela vai ficar bem. Eu vou cuidar dela. — Nina implora.

Ele não responde de imediato. Acho que ele está considerando o pedido dela e, naquele momento, não tenho certeza do que quero.

— Eu acho que não. — Diz ele finalmente. — Andrei vai te levar para casa. Kat vai ficar aqui comigo.

— Mas...

— Andrei — ele me corta, olhando por cima do ombro de Nina para um homem que eu não gosto de olhar. — Leve Nina para casa — diz ele.

Andrei olha para Nina e eu não gosto do olhar em seu rosto.

— Basta levá-la para casa, você me ouviu? — Ele diz a Andrei.

Andrei bufa. — Sim senhor. — Ele zomba dando continência, então balança a cabeça. — Vamos. — Ele diz a Nina, agarrando seu braço.

— Nós temos que sair juntas — eu tento dizer a ele, mas Nina já está indo embora com Andrei.

— Relaxe, Kat — ele me diz quando Nina se vira para olhar para mim por cima do ombro. — Nina vai ficar bem. — Acrescenta ele, olho para cima para encontrá-lo me estudando novamente.

— Eu não me sinto bem — eu digo, assim que meus joelhos cedem. Desta vez, ele me pega em seus braços como se eu não pesasse nada e começa a andar na direção oposta de onde Nina está indo.

— Você apenas fecha os olhos — ele me diz. Estamos em um elevador um momento depois. As portas se fecham e pelo menos está tudo quieto para que eu possa pensar novamente.

— A música estava muito alta.

Ele olha para mim e sorri como se estivesse brincando comigo. — Você não gosta de música alta, mas está no Delirium?

Delirium. É o nome do clube. Nina já esteve aqui antes, mas é minha primeira vez. — Onde estamos indo?

— Em algum lugar onde você possa descansar.

Eu concordo. Eu gostaria de descansar.

— Kat é diminutivo de Catherine?

— Katerina.

— Katerina. — Parece estranho quando ele diz isso. — Significa pura. — Seu rosto fica pensativo. — Você não pertence a este clube, Katerina. Você só vai se sujar aqui.

Antes que eu possa pensar no que ele quer dizer, as portas do elevador se abrem e ele me carrega para uma sala grande e silenciosa. Existem várias portas que levam a outras salas e uma grande mesa que está segurando três telas que exibem várias imagens do clube no andar de baixo.

Ele me coloca no sofá. Observo o monitor que mostra Nina andando

no estacionamento e entrando em um carro com aquele homem.

— Nina? — Eu tento ficar de pé em pernas que parecem gelatina. Nina e eu, temos um pacto. Chegamos juntas e saímos juntas. Sempre.

— Shh, Kat — diz ele. Sua mão no meu ombro me dá um aperto suave, mas firme. — Nina está bem. Andrei vai dar a ela uma carona para casa.

— Nós devemos sair juntas. — Digo a ele novamente.

— Não essa noite.

Ele se senta ao meu lado, fico feliz por não ter que me levantar porque acho que não consigo ficar de pé.

Eu olho para ele, realmente olho para ele. Ele parece diferente aqui sem todas aquelas luzes coloridas e piscando. Ele tem cabelos castanhos bagunçados, seus olhos não são mais tão escuros enquanto ele me estuda. Eles estão quentes agora. Como chocolate.

Eu amo chocolate.

Sem pensar, estendo a mão e toco seu rosto, sinto a barba áspera de sua mandíbula. Ele levanta uma sobrancelha, mas me deixa.

— Você sabe o que você tomou? — Ele pergunta.

Eu deixo cair minha mão quando vejo aquela mancha rosa de batom que coloquei em sua camisa. Eu tento limpa-la, mas ele puxa meu pulso para longe.

— Está tudo bem. O que você tomou?

Eu aperto meus olhos e mudo meu olhar para o teto, tentando me lembrar. — Parecia um doce. Foi meu presente de aniversário.

— Feliz aniversário, Katerina. Quantos anos você tem?

— Dezenove — eu digo sem pensar, então lembro que minha identidade diz que eu tenho vinte e dois.

Abro a boca para corrigir minha resposta, mas o elevador apita, nos interrompendo. Ele se levanta. Percebo que não sei o nome dele. Estou prestes a perguntar, mas então as portas de aço se abrem e um homem entra. Ele está carregando meu casaco em uma mão e uma bolsinha dessas pílulas coloridas na outra.

— São elas. — Digo a ele.

Ambos olham na minha direção, mas me ignoram e quando falam, não entendo uma palavra do que dizem por que estão falando em um idioma diferente. Russo, eu percebo.

Eu inclino minha cabeça contra o encosto do sofá e fecho meus olhos. Eu me sinto quente e há uma batida residual entre meus ouvidos como um som remanescente do andar de baixo. Eu gostaria que parasse, mas pelo menos estou fora do barulho e sentada.

Alguém me toca. Forço um olho aberto.

— Ei! — Eu viro minha cabeça.

— Ela está apagando. — Diz ele, então eles voltam para o que soa como russo.

Quando abro os olhos novamente, estamos sozinhos, ele está agachado aos meus pés, desamarrando os cadarços das minhas botas.

— Acorde de novo — diz ele.

Estou com vergonha de ter perdido a cabeça.

Ele tira uma bota e é tão bom tê-la tirado. Os pés de Nina são meio tamanho menores que os meus e as botas estavam apertando meus pés.

Observo sua cabeça escura enquanto ele desamarra a outra bota e a tira também, depois se levanta. Ele pode ser o homem mais alto que eu já vi.

— Você é lindo — digo a ele, deitando minha cabeça no encosto do sofá novamente.

— E você está viajando. Aqui. — Ele se afasta, então volta um momento depois e me entrega uma garrafa aberta de água.

Eu pego e bebo um gole, depois vários goles, percebendo que estou seca.

Ele se senta ao meu lado, eu olho para o que ele está segurando. É minha bolsa. Ele abre, demoro a processar enquanto ele pega minhas coisas e as coloca na mesa de café.

— Ei — eu digo. — Você não pode fazer isso.

Ele me ignora, olha minha identidade falsa e a coloca no bolso, então estuda a verdadeira.

— Seu cabelo é bonito. Por que você coloriu?

Eu toco meu cabelo, desapontada por ele não gostar e de repente me sinto incrivelmente triste.

— Ah, merda. Não chore.

Eu não percebi que estava.

— Você é muito bonita — diz ele. — Só estou dizendo que seu vermelho natural já é muito bonito.

Sorrio, saboreio o sal de uma lágrima e encosto o rosto no sofá novamente. Eu o observo enquanto ele tira uma foto de algo na minha bolsa.

Ele me acha bonita. E eu o acho lindo.

Sinto um sorriso se estender pelo meu rosto e faço algo que normalmente seria muito tímida para fazer. Eu alcanço seu rosto com as duas mãos, pressiono minha boca na dele e o beijo.

Ele está surpreso, eu posso dizer, mas ele me beija de volta um momento depois. Sua boca tem um gosto bom, como uísque, mas não rançoso, apenas agradável. A barba em sua mandíbula faz cócegas na minha bochecha e eu o quero. Eu o quero tanto, há uma dor entre minhas pernas e um vazio dentro de mim que eu nunca senti antes.

Mas quando tento deslizar minha língua entre seus lábios, ele recua.

— Ei, ei. — Ele olha para mim, seus olhos escurecem. — Você está chapada.

Estou confusa, mas então olho para baixo e vejo que ele também me quer, então sorrio para ele. — Eu quero isso — digo a ele e o beijo novamente.

Desta vez, quando ele interrompe nosso beijo, ele geme. — Katerina — ele diz, sua voz baixa e profunda e como se ele não quisesse parar. — Seja boa.

Seja boa.

Instantaneamente, sou transportada no tempo, esse sentimento se foi, aquele desejo quente e dolorido desapareceu.

Seja boa.

— Eu sinto muito. — Eu abaixo minha cabeça e coloco minhas mãos no meu colo, então deslizo uma sob minha luva sem dedos para pressionar minhas unhas no meu antebraço até doer. — Eu realmente sinto muito.

— Ei. — Ele toca meu rosto. — Está tudo bem. Você está comigo?

Eu pisco, esfregando os olhos.

— Eu não sei o que você tomou, mas você está viajando. Apenas tente relaxar.

Ele passa os polegares pelas minhas bochechas, vejo manchas pretas em seus dedos. Viro as mãos e vejo como as costas estão manchadas de preto. Olho esfumado deu errado. Nina passou meia hora fazendo isso. Eu me pergunto como devo estar agora. Um guaxinim provavelmente.

Mas então ele pega minhas mãos e as separa, nós dois olhamos para baixo ao mesmo tempo.

Merda. Minha luva.

Eu tento puxar meu braço para longe, para cobri-lo, mas ele não me deixa. Em vez disso, ele tira a luva e vira meu braço para que possa ver tudo. Cada centímetro feio e esburacado dele.

Eu também olho, às vezes, quando vejo, ainda consigo sentir o quanto doeu.

Mas isso não é importante agora.

Eu coloco minha mão sobre ela, embora ela mal cubra metade da cicatriz.

— Estou com frio — digo a ele.

Ele olha para mim e por um momento, acho que ele vai me perguntar como aconteceu, mas então, sem uma palavra, ele está de pé, um momento depois, estou deitada no sofá e ele está colocando uma manta de lã grossa sobre mim. Ele levanta minha cabeça para deslizar um travesseiro embaixo dela. É áspero, mas eu não me importo.

Há um ding, acho que é o elevador de novo. Eu tento me sentar, mas ele me diz mais uma vez para relaxar, então eu deito novamente.

Ele tira o telefone do bolso. Deve ter sido uma mensagem, não o elevador.

Eu o observo digitar alguma coisa e depois guarda-lo. Ele olha para mim. — Por que você não fecha os olhos um pouco? Tenho que tratar de uns negócios, mas já volto, está bem? Fique aqui e durma um pouco.

Eu concordo. Estou cansada. Realmente cansada.

Ele diz mais alguma coisa, mas já estou adormecendo e sinto que estou flutuando, como se estivesse deitada em uma nuvem macia e apenas flutuando. Eu o ouço falar novamente, mas não consigo segurar as palavras.

Não pode segurar nada.

Continuar lendo
img Baixe o aplicativo para ver mais comentários.
Mais Novo: Capítulo 43 43   03-05 15:50
img
1 Capítulo 1 1
10/02/2024
2 Capítulo 2 2
10/02/2024
3 Capítulo 3 3
10/02/2024
4 Capítulo 4 4
10/02/2024
5 Capítulo 5 5
10/02/2024
6 Capítulo 6 6
10/02/2024
7 Capítulo 7 7
10/02/2024
8 Capítulo 8 8
10/02/2024
9 Capítulo 9 9
10/02/2024
10 Capítulo 10 10
10/02/2024
11 Capítulo 11 11
18/02/2024
12 Capítulo 12 12
18/02/2024
13 Capítulo 13 13
18/02/2024
14 Capítulo 14 14
18/02/2024
15 Capítulo 15 15
18/02/2024
16 Capítulo 16 16
18/02/2024
17 Capítulo 17 17
19/02/2024
18 Capítulo 18 18
19/02/2024
19 Capítulo 19 19
19/02/2024
20 Capítulo 20 20
19/02/2024
Baixar App Lera
icon APP STORE
icon GOOGLE PLAY