Baixar App hot
Início / Romance / Acabando com o sofrimento de amor
Acabando com o sofrimento de amor

Acabando com o sofrimento de amor

5.0
1 Cap. / dia
72 Capítulo
23.3K Leituras
Ler agora

Sinopse

Índice

O que é a melhor tortura? Para Vincent, era prendê-la em um casamento sem amor e encher seus dias de humilhação e miséria sem fim. Ele estava convencido de que a traiçoeira Kaitlin merecia todo o sofrimento e que ele nunca se arrependeria de suas ações... até ver o túmulo dela. Kaitlin tinha vinte anos quando se apaixonou por Vincent. Ela passou três anos como sua esposa humilde e dócil, ajudando-o a alcançar o sucesso enquanto suportava seu ódio implacável. "Amor?", ele zombou nos momentos finais dela. "Nunca existe amor entre nós." Como um destrói o outro? Para Kaitlin, era fazê-lo entender que havia causado uma tragédia para si mesmo. Quando Vincent descobriu a verdade, ele já tinha arruinado o que sempre desejava com as próprias mãos.

Capítulo 1 O peso do desespero

Naquela noite, Vincent Roberts chegou em casa justo no momento em que desliguei o telefone.

Pouco depois, um leve toque ecoou na entrada.

A governanta, Janice Simpson, estava à porta.

Ela anunciou: "Senhora Roberts, o senhor Robert acaba de chegar."

Recuperando minha compostura, me levantei, limpei as lágrimas e agradeci com um murmúrio: "Obrigada."

Quando eu estava prestes a deixar o cômodo, ela falou, quase interrompendo sua própria frase: "Senhora Roberts, o senhor Roberts..."

Ela hesitou, com um olhar cheio de empatia.

Forcei um sorriso em sua direção e desviei o olhar.

Como esperado, assim que entrei no quarto de Vincent, um riso feminino, livre e envolvente, atravessou o ar.

Os sons seguintes deixavam claro o que acontecia ali.

Permaneci imóvel na porta, notando roupas jogadas pelo chão.

Entre elas, trajes típicos de Vincent que denotavam sua ostentação e poder, além de um vestido elegante e um lingerie preta com charme irresistível.

Vincent sempre tinha um fraco por mulheres que sabiam como capturar o olhar dos homens.

Infelizmente, ele me considerava sem graça e pouco atraente, já que meu pai não era mais rico.

Fechei a porta em silêncio e esperei do lado de fora. Duas horas depois, o silêncio tomou conta, indicando o término do encontro íntimo deles.

Recomposta, toquei à porta e escutei a voz preguiçosa de Vincent: "Pode entrar."

Ele estava visivelmente relaxado.

Enquanto ele não colocava os olhos em mim, seu humor permanecia tranquilo.

Mas essa serenidade se dissipou quando me viu.

O quarto cheirava a fumaça de cigarro.

Vincent estava na cama, coberto apenas por lençóis, acompanhado por uma mulher de pele suave e cabelos soltos que ostentava uma tatuagem vibrante de um pavão em suas costas.

Ela sorriu para mim enquanto colocava um cigarro nos lábios de Vincent.

Vincent inclinou a cabeça, semicerrando os olhos em meio à fumaça, e então me olhou com desdém.

"Querido...", comecei, tentando desesperadamente buscar ajuda. "Preciso de você. A empresa do meu pai está em crise."

Sem mover um músculo do rosto, Vincent permaneceu calado, fechando os olhos.

A mulher me lançou um olhar cheio de desprezo.

Persistente, continuei: "Precisamos de um empréstimo de quinhentos milhões de dólares. Sabemos que você pode intervir. É claro, sua contribuição será recompensada com juros... Você sabe que temos nossa palavra. Minha família sempre tratou você com estima."

Em meio aos desafios que desgastaram tanto a empresa de Vincent quanto nosso casamento, meu pai nunca hesitou em estender a mão para ajudá-lo.

"Fora!", exclamou ele por fim.

Contudo, eu não podia simplesmente me retirar.

Persisti, suplicando: "Amor, por favor, escute. Meu pai está internado agora. Se você optar por não ajudá-lo, eu..."

No meio da minha súplica, Vincent agarrou de forma impetuosa o cinzeiro de cristal sobre a mesa de cabeceira e o lançou em minha direção.

Fui pega de surpresa. O cinzeiro voou, raspando minha orelha, e se espatifou contra a porta com um estrondo assustador.

Eu estremeci, incrédula ao encará-lo.

Vincent, então, abriu os olhos e os fixou em mim com um olhar desolado.

"Fora!", ordenou novamente.

Engoli em seco.

Depois de hesitar, apertei os dentes e me ajoelhei.

"Querido..." As palavras que se seguiram eram novas em meus lábios. "Lembre-se de que, nos últimos três anos, não lhe causei nenhum desgosto. Nunca fiz quaisquer exigências. Estamos apenas solicitando sua assistência e garantimos a devolução completa do empréstimo. Se tudo correr bem com a empresa, o pagamento do capital e dos juros será acelerado."

Continuar lendo
img Baixe o aplicativo para ver mais comentários.
Baixar App Lera
icon APP STORE
icon GOOGLE PLAY