Baixar App hot
Início / Romance / Dominada Pelo Milionário Cruel
Dominada Pelo Milionário Cruel

Dominada Pelo Milionário Cruel

3.5
97 Capítulo
34.9K Leituras
Ler agora

Sinopse

Índice

A vida de Aryanna Viscardi muda drasticamente após a morte de seu pai e irmã em um acidente de carro. Com sua mãe afundada na escuridão da depressão, Aryanna assina um contrato de trabalho com um homem arrogante e exigente que vai virar seu mundo de cabeça para baixo. Silvain De Castelbajac, um homem escondendo segredos por trás de sua fachada de perfeição. Para manter sua casa em ordem, ele decide contratar a jovem Aryanna como sua empregada doméstica. Desde o início, Silvain sente uma atração intensa pela jovem e começa a desenvolver uma obsessão por ela. Apesar de estar ciente de suas próprias ações manipuladoras e dominantes, Silvain não consegue resistir à irresistível Aryanna. Enquanto isso, Aryanna luta com seus próprios sentimentos em relação ao seu empregador de personalidade complicada. Apesar de todos os sinais de alerta, Aryanna se vê cada vez mais atraída pelo manipulador patológico Silvain.

Protagonista:

Aryanna Viscardi e Silvain De Castelbajac

Capítulo 1 01

"Prepotência habita nele,

e por trás da máscara, apenas fragilidade.

Ela soube no momento exato

em que seu olhar dominante a capturou, mas avistou sua

fraqueza, o cristal que o tornava refém de um destino

fragmentado. Era uma muralha sem alicerces, um pedestal

caído, a absurda imagem abrasadora queimando em seu

próprio inferno."

Ele tentou fugir do colapso, escondendo lágrimas, tornando-se forte e dominante. Ele fingiu ser uma serpente venenosa que desfere a mordida, mas sabe que o efeito tóxico habita apenas nele.

Atirando, ele aponta com inferioridade, não consegue ver o lado bom, apenas se olha no espelho e diz: "Oh, meu reflexo é perfeito".

Tão cheio de grandeza, uma fantasia que se dissipa sozinha, porque ele mesmo caiu, como uma estrela que não pôde se sustentar por um segundo no céu. E retorna ao mundo demonstrando que está acima, mas na realidade está apenas pendurado por um fio.

Ele é um refletor que se apagou, um perdedor que parou de correr, se desculpa dizendo que seu caminho está cheio de solavancos; ele sabe que está direcionado ao vazio, a terminar quebrado, não pode mudar a direção de um desvio errôneo, sente-se frágil, por isso finge ser uma couraça por fora, por dentro é apenas pele exposta às chamas que devoram suas fortalezas... Então o incêndio vai deixando cinzas fracas, e num sopro do vento elas desapareceram.

Ele se reduz a nada, seu poder acabou sendo uma miragem, uma falsidade vestida de verdade. A irrealidade vivente em sua cabeça o leva a mostrar um caminho intermitente desconhecido. No fundo ele caminha por um túnel sombrio, onde jaz a destruição, lá fora nasceu um ser narcisista que cresceu, que caminha sobre todos, seu rumo é o infinito.

No entanto, a eternidade foi arrancada dele, ele se sente sozinho, é uma taça de vinho vazia, porque seu conteúdo carmesim se derramou na inexistência, e entre estilhaços espalhados pelo chão, ele é apenas um homem sem nome, e secretamente busca o significado da vida, um motivo para existir.

Ele é Silvain De Castelbajac, o chefe Narcisista.

...

"Ele usa um sorriso soberbo como escudo; ele ataca, tem medo e quer infundir medo. Na verdade, com medo, ele pretende ser aquele que faz os outros fugirem."

...

Já sinto o suor escorrendo pelas linhas das minhas palmas, tremor leve nas minhas pernas, meu coração palpita à espera. Preciso do emprego, o dinheiro é urgente, seria lamentável não conseguir. Já esperei por dez minutos. Volto a aparecer a cabeça, o corredor está vazio.

Cubro meu rosto, respiro pela quinta vez. Uma voz sutil me tira do meu isolamento mental e levanto a cabeça encontrando a dona. É a mesma mulher que me recebeu, ela usa um avental, laço na cabeça. A aparência de uma empregada, suponho que estou vendo meu reflexo, serei eu em questão de minutos. Mas nem tudo está dito, devo esperar a palavra final.

-Jovem, Viscardi, me siga, por favor… -comunica amavelmente, isso me encoraja a sair do meu lugar e me levantar.

Sigo ao lado dela, não sei para onde ela está me levando. A mansão é esplêndida, luxuosa e rouba minha atenção durante o trajeto. É impossível não reparar nos detalhes em dourado, há uma espécie de atmosfera suntuosa que encanta, é tudo o que está longe de muitos, e poucos são os sortudos. Sorrio quando ela me olha de repente, ela para em frente a uma porta escura.

-É aqui, Aryanna, procure não ser indiscreta ou fazer perguntas intempestivas. Tenho um bom pressentimento sobre você, o chefe pode ser difícil, boa sorte. -ela acrescenta com urgência, já não me sinto tão segura para girar a maçaneta.

-De acordo. -sussurro quase inaudível.

Ela já saiu imediatamente, me deixando sozinha em uma situação estranha que se enrosca em uma espiral de medos dentro de mim. Já não tenho convicção para lidar com isso, quão difícil é o senhor De Castelbajac? Sempre fugi de pessoas complexas ou complicadas, agora parece que estou entrando na emboscada.

É agora ou nunca.

Ao dar um passo dentro do que me parece um escritório escuro e frio, meu coração pula dentro do meu peito, eu o tenho em punhos. Continuo respirando, mas trazer oxigênio para o meu sistema se tornou uma atividade superficial. Meus pulmões devoram o ar rapidamente e me sinto sufocada.

Nunca vivi um momento tão tenso como esse, beira a angústia, me torna sinônimo de fraqueza. Termino de entrar, fecho a porta sem fazer barulho. Sinto essa necessidade de não fazer barulho, e de qualquer forma ele saberá que eu cheguei. Aquele indivíduo marcado como "difícil" está de costas, enquanto estuda algum livro na estante que possui. Sobre sua mesa há um laptop fechado, também um Mac, vários papéis espalhados e um telefone. Meu olhar curioso voa para o quadro pendurado na parede à minha esquerda, é uma foto de um homem com o torso nu, é como um modelo profissional exibindo as características masculinas do espécime dos sonhos de qualquer mulher.

Minha boca seca, meu pulso dispara, mas consigo me manter sã.

-Bom dia, senhor De Castelbajac -cumprimento com o ar escasso que circula em mim.

Ele não se vira, continua fazendo o que estava fazendo. Pela sua ignorância, acredito que ele é surdo. Tento ficar calma, principalmente paciente. Será que eu falei em um tom muito baixo?

-Bom dia, vim pela...

-Sei por que você veio, não é necessário que você repita as coisas -ele finalmente se vira e acho que vou cair no chão.

Mas por que essa atitude hostil?

Ele está com uma camisa azul royal que realça seus olhos azuis, e agora tem as mãos nos bolsos daquelas calças sob medida. Ele me avalia, não consigo lidar com isso.

Engulo com dificuldade.

-É que... -tento juntar mais uma palavra, mas me dificulta falar.

Seus olhos destilam um certo poder que me absorve, mal existo, o pouco que resta de mim está preso na inquietação. Não apenas cedo à timidez, mas também ao nervosismo que enlouquece cada fibra do meu ser. O olhar daquele homem é poderoso e me coloca em um lugar que esmagaria qualquer um. Evito o contato visual, algo me impede de manter a conexão.

-Você nem mesmo bateu na porta, mas vamos direto ao assunto -ele aponta, sentando-se.

É verdade que eu não bati, e sou obrigada a pedir desculpas. Espero que isso não seja um começo com o pé esquerdo.

Devo sentar-me? Não sei se devo perguntar, ele me observa e levanta uma sobrancelha. Eu me sento, espero que ele comece a falar. Ele abre o laptop, começa a digitar no teclado, eu me perco no som que seus dedos fazem ao tocar cada tecla. Eu continuo calada, aproveito que ele está mergulhado na tela, silencioso e estudo o interior onde estou. Entre as coisas, destaca um conjunto de sofás acompanhado de uma mesa de centro onde não há um único objeto. Eu vejo um frigobar e volto meus olhos para ele.

Eu temo que ele me pegou em uma análise mal disfarçada.

-Desculpe.

Ele para de digitar de repente e junta as pontas dos dedos, apoiando os cotovelos na mesa. É um gesto que transmite certa dominação. O que diabos ele tem que me faz sentir assim?

-Você é Aryanna Viscardi? -ele pede que eu confirme, e eu assinto com a cabeça -. Por que você está aqui?

Eu franzo os olhos, confusa, ele se esqueceu de que eu vim para a entrevista de emprego? Eu mudo minha expressão ao lembrar que ele fez a pergunta para que eu explique ou fale sobre mim mesma. Embora isso não seja agradável para mim, eu não tenho nada interessante para contar.

-Eu preciso do emprego, apenas assim posso ajudar minha mãe com as despesas de casa...

-Problemas econômicos -ele me interrompe soltando a triste realidade em que me encontro. Sua voz não tem nem um pingo de emoção.

-Sim -eu respondo baixinho.

-Você conseguiu o emprego, Viscardi -ele anuncia e eu levanto o olhar surpresa.

Continuar lendo
img Baixe o aplicativo para ver mais comentários.
Mais Novo: Capítulo 97 EPÍLOGO   07-17 10:42
img
1 Capítulo 1 01
25/02/2024
2 Capítulo 2 02
25/02/2024
3 Capítulo 3 03
25/02/2024
4 Capítulo 4 04
25/02/2024
5 Capítulo 5 05
25/02/2024
6 Capítulo 6 06
25/02/2024
7 Capítulo 7 07
25/02/2024
8 Capítulo 8 08
25/02/2024
9 Capítulo 9 09
25/02/2024
10 Capítulo 10 10
25/02/2024
11 Capítulo 11 11
25/02/2024
12 Capítulo 12 12
25/02/2024
13 Capítulo 13 13
25/02/2024
14 Capítulo 14 14
25/02/2024
15 Capítulo 15 15
25/02/2024
16 Capítulo 16 16
25/02/2024
17 Capítulo 17 17
25/02/2024
18 Capítulo 18 18
25/02/2024
19 Capítulo 19 19
25/02/2024
20 Capítulo 20 20
25/02/2024
Baixar App Lera
icon APP STORE
icon GOOGLE PLAY