Lera > Romance > Dever pecaminoso

   Capítulo 19 Nova Casa

Dever pecaminoso Por Érica Moura Personagens: 9758

Atualizado: 2020-04-17 00:16


Victor não apresentou Sofia às duas pessoas, mas elas compreenderam seu posição naquela casa.

Sofia balançou a cabeça e entrou. Do lado de fora, ela podia ver o quão grande a mansão era. No entanto, não foi até que ela entrou que percebeu o quão verdadeiramente bonita a casa era.

A primeira coisa que viu foi o quarto mais elegante e luxuoso de toda a cidade. A iluminação complicada emitia uma luz fria. As paredes altas lançavam uma sombra no chão acarpetado que revestia o corredor espaçoso e silencioso. Por sua vez, havia retratos pendurados nessas mesmas paredes que tentavam cativar o coração das pessoas. Ainda assim, nem o interior luxuoso nem a decoração cara poderiam mitigar a desolação da casa.

Depois de apreciar o interior do local, Sofia não pôde deixar de suspirar. Não era um lar porque ela não sentia o calor. No entanto, o estilo era compatível com a personalidade de Victor.

Os únicos na enorme sala de estar eram ela e Victor.

"Preciso do meu próprio espaço." Era óbvio que Sofia não queria dormir no mesmo quarto que ele.

"Não se esqueça do nosso acordo!" O homem ergueu as sobrancelhas. Suas breves palavras trouxeram Sofia de volta à realidade.

Ela se forçou a sorrir em resposta. 'Sim! Eu sou apenas sua amante. Como eu poderia pensar que ele iria considerar minha palavra neste relacionamento?', ela entrou em pensamento.

Quando Sofia ficou em silêncio, Victor olhou para ela. Ela percebeu e abaixou a cabeça para que ele não pudesse ver suas emoções.

"Não se preocupe, se você se comportar bem, farei o meu melhor para atender às suas demandas", acrescentou o homem. Ele caminhou até ela, ergueu lentamente seu queixo com o polegar e o indicador e a olhou nos olhos.

"Por favor, comporte-se, senhor Victor! Somos apenas amantes." Sofia balançou a cabeça e se soltou.

Seu rosto liso escapou do aperto de Victor. O homem olhou para sua expressão indiferente e descobriu que não gostava de sua atitude.

'Somos apenas amantes, certo? Nada mais, nada menos. Nesse caso, vou lhe mostrar como é difícil ser minha amante.'

Victor suprimiu sua inquietação e foi para a sala de jantar. Ele não entendia por que estava tentando ser legal com Sofia, muito menos por que estava ficando bravo com ela.

Como Sofia mal tocou seu prato na casa de Casper, ela sentia um pouco de fome. Embora Victor não se importasse em convidá-la, ela o seguiu até a mesa.

Web tinha acabado de descer quando os viu jantando em silêncio. Vendo eles juntos fez seu rosto se iluminar de alegria.

Zelda piscou para ele discretamente e eles saíram para o corredor.

"Web, esta é a primeira vez que ele trouxe uma garota para casa!", Zelda sussurrou assim que eles saíram da sala de jantar.

"Sim! Nosso chefe nunca traz ninguém. Esta é a primeira vez que ele chega com uma mulher!" Web conhecia Victor melhor do que Zelda.

"Sim! Essa moça é linda, até sorriu para mim quando chegou! E o chefe pediu para você deixar a bagagem dela no quarto dele." A mulher era astuta. Ela sabia exatamente o que isso significava.

"Diga ao seu pessoal para ser respeitoso com ela. Não deixe que eles a tratem mal!", Web ordenou a Zelda com um brilho nos olhos.

"Está bem!", a mulher respondeu educadamente.

Web era o mordomo da mansão. Ele havia servido a Victor por muitos anos. Victor não costumava voltar para casa, então Web cuidava da mansão e dos empregados. A julgar por suas palavras, a moça devia ser alguém muito importante para ele.

Depois do jantar, Victor pegou um guardanapo descartável e esfregou os lábios. Ele olhou para Sofia do outro lado da mesa e um sorriso malicioso apareceu em seu rosto.

Assim que ela avistou seu olhar, ela sentiu um arrepio percorrer seu corpo.

"O que você quer?" Sofía se levantou e olhou para Victor com desconfiança.

"Que você cumpra sua parte do acordo." Victor se levantou, caminhou até onde ela estava e a carregou em seus braços.

A garota ficou surpresa. Ela lutou para se livrar de seu aperto, mas ele a levantou e a colocou sobre os ombros. Ele sabia que naquela posição, se ela continuasse lutando, cairia. Agora seria impossível para ela escapar.

Seu rosto estava nas costas de Victor e ela corou timidamente.

"Seu desgraçado! Coloque-me no chão!" Ela bateu as mãos nos ombros dele, mas não importa o quanto ela tentasse, ele não a soltou. Em vez disso, ele acelerou o passo para dentro do quarto.

Chiir! Quando ela ouviu o rangido da porta se abrindo, seu coração disparou. Ela bateu com força no ombro dele e levantou os pés para chutá-lo.

Ela pegou Victor desprevenido e ele a lançou para frente.

Ela não esperava que ele a jogasse. Ela olhou para o chão de mármore gelado, fechou os olhos involuntariamente e suspirou. Uma queda assim deveria ser muito dolorosa!

"Você é tão…" Victor se inclinou sobre ela, com algumas gotas de suor no rosto. Aparente

mente, o chute de Sofia foi muito forte.

Ela ficou surpresa quando não caiu no chão, mas em vez disso, caiu na cama. Ela abriu os olhos lentamente, confusa. Só então ela detalhou seriamente a sala inteira.

O quarto de Victor era bem simples. Mesmo que as cores preto e marrom tenham dado um toque elegante, parecia bastante deprimente. Sua cama se destacou como o único objeto branco no quarto.

Sofia torceu a boca. Tudo o que havia era uma cama em um quarto tão espaçoso, era um desperdício de espaço!

Enquanto os comentários giravam em sua cabeça, ela não se atreveu a dizer nada. Enquanto isso, Victor tinha um sorriso malicioso no rosto.

"Mulher, você sabe quais são as consequências de me provocar?" O homem se lançou sobre ela imediatamente, sem lhe dar tempo para reagir.

Seu comportamento repentino pegou Sophia de surpresa. Embora ela estivesse confusa, ela conseguiu se esquivar. A cama era grande, mas ela não tinha outro lugar para se esconder.

Quando Victor finalmente provou os doces lábios de Sofia, sua raiva se dissipou. O cheiro suave e agradável de jasmim que emanava do corpo de Sofia o aqueceu e seu desconforto desapareceu completamente.

Ela lutou para se levantar, mas Victor segurou suas mãos com força. Ele a pressionou contra a cama para que ela não pudesse se mover.

Enquanto ele a beijava nos lábios, ela manteve os olhos abertos. Seu olhar estava cheio de rejeição e desprezo.

"Mulher, seus esforços são inúteis!", exclamou Victor.

O desejo que ele sentia era evidente em seus olhos e quando ele olhou para ela, ele se sentiu excitado.

Sofia corou de vergonha. Enquanto olhava para ele, ela gritou: "Seu canalha!"

"Canalha?! Você concordou em ser minha amante, então agora você será responsável por acalmar meu desejo!", ele respondideu.

Sofia queria se cobrir, mas não conseguia se mexer.

Vendo seu belo corpo, Victor perdeu a cabeça.

"O que?" De repente, Sofia sentiu uma leve dor que a fez franzir a testa.

Foi uma longa noite para os dois. Até a lua se escondeu timidamente atrás das nuvens.

Foi uma noite difícil para Sofia. Ele a possuiu uma e outra vez. Ela se arrependeu de não chutá-lo com todas as suas forças quando teve a chance.

Victor tinha o hábito de acordar cedo. Ele acordou muito antes de Sofia, permitindo que ele a observasse enquanto ela dormia. Ele não pôde deixar de sorrir quando viu seu rosto pacífico.

Na noite anterior, ele havia feito amor com ela repetidas vezes.

Ele esfregou a cabeça. Desde que conheceu aquela garota, seu autocontrole tinha praticamente desaparecido e ele não sabia dizer se isso era bom ou ruim.

Sofia respirou fundo em seus braços. Suas sobrancelhas curvas e longos cílios se contraíram ligeiramente. Sua pele era clara e perfeitamente rosada. À primeira vista, seus lábios eram finos e pareciam tão delicados quanto as pétalas de uma rosa.

De repente, suas pálpebras se contraíram. Ela abriu os olhos roxos e lutou para se concentrar no rosto grande à sua frente.

"Ah!" Surpresa, ela se sentou e se cobriu com o cobertor.

Enquanto ela puxava o cobertor, o corpo de Victor estava sendo descoberto.

"Ah! Canalha!" Sofía não pôde deixar de gritar ao ver seu corpo nu dele e cobriu os olhos.

Victor sorriu.

"Mulher, você já viu meu corpo ontem à noite!" Ele balançou a cabeça, levantou-se da cama e foi até o armário. Ele rapidamente vestiu a cueca.

Suas palavras a fizeram corar ao se lembrar do que tinha acontecido na noite anterior. Com a memória em sua mente, ela queria que a terra a engolisse.

Ela abaixou o cobertor e estreitou os olhos para ele, mas ele já estava vestido.

Victor tinha mais de 1 metro e 80 centímetros de altura. Sua pele era clara e o terno preto justo que ele vestia mostrava sua condição física perfeita. Ele tinha cabelo preto escuro, embora fosse um pouco rebelde, parecia incrivelmente estiloso. Além disso, seu rosto era liso e quadrado. Ele era inegavelmente bonito.

Sofia não pôde deixar de olhar para ele com espanto. Como aquele demônio poderia ter um rosto e um corpo tão perfeitos? Como mulher, ela sentia inveja.

Ela queria se vestir, mas suas roupas estavam espalhadas por todo o quarto. Além disso, as roupas estavam tão destruídas que ela não podia mais usá-las.

"Eu irei trabalhar. Enquanto eu estiver fora, você pode passear pela mansão inteira. Se você quiser ir a algum lugar, peça à Web para lhe fornecer um motorista", disse Victor, dando as costas para ela.

"Não preciso de motorista. Eu posso sair sozinha!" Ela estava lá para ser sua amante, não para ser sua prisioneira.

"De verdade? Como assim?" Victor se virou e ergueu as sobrancelhas. Parecia que Sofia havia dito algo incrível.

"Para onde você vai? Eu não acho que você tem outro lugar para ir." Victor pousou as mãos na cama e lentamente se aproximou dela com um olhar sedutor.

(← Atalhos teclado) Anterior Conteúdos (Atalhos teclado →)
 Novels To Read Online Free

Digitalizar o código QR para baixar o Lera.

Volte para Topo

Partilhas