Lera > Romance > GAROTA SAPECA.

   Capítulo 10 Dez

GAROTA SAPECA. Por Fernanda Aliski Personagens: 11347

Atualizado: 2021-06-11 06:27


Fim de semana era folga do Benjamin, queria muito ver ele, mas infelizmente precisava esperar até segunda, a ansiedade estava me matando, para saber o que ele diria sobre a gente, ou ele poderia não dizer nada e aquilo que aconteceu realmente não passaria de uma noite e esse pensamento me deixa triste, não quero ficar longe dele.

       Finalmente a segunda chegou, tomei um banho bem demorado visto uma calcinha bem provocante e meu uniforme, camisa branca e saia azul marinho. Sei que pedi apenas aquela noite, mas agora que provei dele, não consigo parar de desejar mais e mais, espero que ele também deseje isso.

       Desço, tomo meu café e saio vendo aquela delícia me esperando encostado no carro. Meu corpo se aquece só em lembrar no que ele fez comigo.

       _ Bom dia. _ Falo normalmente, como se nada tivesse acontecido.

       _ Bom dia senhorita, Samantha. _ Fala abrindo a porta pra mim. Percebi que ele não está mais tão sério como antes.

       Entro no carro e ele entra em seguida, não sei como devo me comportar, mas eu tô louca pra beijar ele novamente. Ele está mais descontraído, parece mais alegre e eu me pergunto se seria por minha causa? Decidida a descobrir, tomei coragem para provocar.

       Ele sai com o carro e me encosto mais atrás do seu banco fazendo cafuné. 

      _ Não faz isso, eu tô dirigindo Samantha. _ Fala se arrepiando todo, ele tenta me repreender, mas dessa vez ele não fala bravo.

       _ Não fiz nada. _ Falo mordiscando sua orelha, ele geme baixinho.

       _ Você é uma peste. _ Fala abrindo um sorriso e sei que ele não está se negando, tentando prestar atenção na estrada ele apenas olha para a frente.

       _ Sou uma peste é? _ Falo pulando o banco, sentando no seu colo.

       _ O que você está fazendo? _ Pergunta freando o carro bruscamente.

       Sem dizer nada, me ajeito entre ele e o volante de pernas abertas.

       _ Eu quero você! _ Falo me remexendo em seu colo.

       _ Não faz isso Samantha, eu tô dirigindo. _ Fala olhando atrás de mim, tentando prestar atenção na estrada.

       _ Deixa que eu faço tudo. _ Falo abrindo sua calça.

       _ Puta que pariu Samantha! _ Resmunga ele quando pego em minhas mãos seu membro, grosso e duro feito pedra e começo a acariciá-lo.       _ Vejo que não sou a única com desejo aqui. _ Falo provocando.

       Meu corpo queima, parece estar pegando fogo, uma necessidade única dele toma conta de todo o meu ser.

       _ Você me deixa assim! _ Diz ele com a voz rouca, fechando os olhos por um segundo respirando fundo. _ Eu não consigo me controlar, mas alguém pode nos ver.

_ Os vidros são escuros ninguém consegue ver lá de fora.

       Coloco minha calcinha de lado me encaixando sobre ele, começo a sentar calmamente, sentindo minha intimidade ir se alargando para receber ele.       _ Ai meu deus! Não faz isso garota, eu vou provocar um acidente.

       _ Então olha pra estrada. _ Falo sentando de uma vez, sentindo ele todo dentro de mim.

Ele geme alto assim como eu ao sentir seu tamanho todo.       Começo a mexer calmamente enquanto Benjamin tenta prestar atenção na estrada. 

       _  Assim não dá! _ Fala parando o carro em uma vaga.

       _ Me fode Benjamin, me fode gostoso. _ Peço a ele, quase implorando.

       Ele abre seu cinto, ficando mais à vontade, aperta minha bunda fazendo os movimentos, me puxa para baixo subindo o quadril, fazendo assim ele ir mais fundo em mim, me fazendo gemer, delirar de tesão.

       _ Você é uma garota sapeca! _ Fala e me puxa ainda mais, colocando-se mais em mim, me fazendo gemer alto _ Não faz barulho, ou vão ouvir a gente. _ Pede mal se controlando também.

       Sinto os espasmos pelo meu corpo e já não me controlo mais.

       _ Isso, minha gostosa, goza pra mim! _ Sussurra no meu ouvido, e como se sua voz fosse um comando, eu me entrego a ele.

       Ainda sentindo meu corpo tremer, ele me ergue do seu colo e se masturba, gozando em sua mão. 

       _ Isso não pode mais acontecer Samantha, era só uma noite. _ Fala parecendo triste.

       _  Não gostou?

       _ Nisso que está o problema! Eu gosto de mais e não consigo me conter com você toda sapeca assim! Não podemos continuar, eu realmente preciso desse trabalho. _ Fala tocando meu rosto com a mão limpa.

       _ Mas eu desejo tanto você, não vou contar a ninguém sobre a gente. _ Falo tentando convencer ele, eu não quero me afastar.

       _ É melhor pararmos por aqui Samantha! Você me faz perder a razão, acabei de transar com você no meio da rua em um carro, você me deixa fora de controle. _ Diz, com peso na voz.

       _ Prometo me comportar, mas eu não sei se consigo ficar longe. _ Falo tocando seus lábios com os meus, eu não podia prometer uma coisa que eu sabia que não conseguiria cumprir.

       _ Vai ser melhor, você vai ver. _ Fala e beija meus lábios com doçura.

       Nos limpamos e seguimos para o colégio sem tocar mais no assunto, mas eu precisava saber por que ele tem tanto medo de perder seu trabalho...

****

       Como prometi, fiquei longe do Benjamin, mas tá difícil. Ele conseguiu me fazer esquecer do Enzo sem ao menos saber sobre ele. Agora eu percebi que realmente não o amava, talvez uma atração forte, mais nada que isso!

       E a decisão que ele tomou em ficar com sua família, foi apenas dele! E acabei encontrando alguém que me faz suspirar ainda mais fundo em apenas pensar nele.

       Eu queria saber mais sobre o Benjamin e perguntar, não estava ajudando em nada. Aproveitei que ele saiu para fazer umas compras pra nova cozinheira e decidi me informar. Peguei um táxi e fui até o prédio do outro dia. Assim que cheguei uma mulher de

cadeira de rodas está entrando no prédio, achei uma desculpa perfeita para conseguir entrar.

       _ Deixa que eu ajudo a senhora. _ Falo querendo ajudar.

       _ Obrigado minha menina. _ Fala a mulher muito simpática.

       Pego as sacolas, entramos no prédio e eu fico meio perdida, tantos apartamentos não tem como eu descobrir qual seria do Benjamin.       O elevador para no quinto andar, a senhora segue em frente e eu vou atrás dela.

       _ Entre e pode deixar as coisas na cozinha minha filha, já tomei muito do seu tempo. _ Diz ela abrindo a porta.

       _ Não se preocupe, só quero ajudar e eu não estava fazendo nada mesmo. _ Falo sorrindo com simpatia.

       _ Você mora aqui no prédio? _ Pergunta ela atenciosa.

       _ Moro aqui perto! _ Falo tentando desconversar. _ Estava passando e vi a senhora com as sacolas, decidi ajudar.

       _ Muito obrigado. Essa cadeira de rodas está me tomando um tempão, já melhorei bem com as fisioterapias, mas meu filho não gosta que eu me esforce muito, ele cuida tanto de mim. _ Fala parecendo muito feliz em falar do filho.        _ Que bom que ele te ajuda.      

  _ Sim, ele é meu tudo! Desde que o pai dele morreu, tenho só ele em minha vida.  _ Fala agora triste.

   _ Sinto muito pelo seu marido. 

       _ Está tudo bem minha filha, já faz muitos anos e o Benjamin é minha razão de seguir em frente. _ Diz ela e só consigo ouvir uma palavra. Como é que é? Benjamin? Isso mesmo que eu ouvi?        _ Benjamin é o seu filho? _ Pergunto tentando não querer saber muito, mas acho que dei bandeira demais.

       _ É sim! Ele trabalha tanto, quase nunca está em casa. Ele toma conta da casa desde que eu sofri um acidente.       Isso não pode ser tanta coincidência!

       _ Como a senhora se machucou? _ Falo agora um tanto curiosa.

       _ Eu estava voltando pra casa depois do trabalho em uma lanchonete aqui perto, sempre voltava de madrugada, fechamos tarde. Em um sinal vermelho um motorista bêbado bateu em meu carro e fugiu. Depois disso, como pode ver. _ Fala mostrando a cadeira de rodas. _ Ficou as dívidas do hospital, já que não tinha um plano de saúde e as caras sessões de fisioterapia. _ Fala ela parecendo cansada.

       A cada palavra dela foi como se eu vivesse meu acidente com a minha mãe a muitos anos atrás, e sem querer eu fiquei mal.

       _  Mas a senhora vai melhorar, vai ver. _ Falo de coração.

       _ Graças ao meu menino! Ele é quem paga tudo depois que eu perdi meu trabalho. Deixe- me mostrar uma foto dele. _ Diz ela virando a cadeira em direção a sala. Ela pega uma foto e vem até mim. _ Esse é meu herói! _ Fala colocando o retrato à minha frente.

       Eu não conseguia acreditar! Mas era ele, Benjamin junto da sua mãe em um parque, pareciam muito felizes, aquele sorriso em seus lábios é algo que eu nunca vi.

       _ Ele é lindo, não é? _ Fala ela, orgulhosa.

       _ É sim! _ Falo mais empolgada do que devia. _ Mas agora preciso ir, se a senhora não precisar mais de mim?

       _ Ó não, pode ir minha filha. Muito obrigado por ter me ajudado. _ Diz ela me acompanhado até a porta.

       Sigo em direção a porta, precisando de ar. Eu não acredito em tudo o que descobri, pensei que o Benjamin era alguém que pensava apenas em dinheiro ou algo assim, mas ele só quer ajudar a mãe. Me sentindo mal por ter me intrometido em um assunto que não é da minha conta, me despeço da dona Joyce e vou direto pra casa.       Chego em casa e o Benjamin já está de volta.

       _ Onde você estava? _ Fala quando me vê chegando de táxi.

       Pego ele pela mão o levando até um canto. Beijo sua boca, mas ele não corresponde.

       _ O que está acontecendo? _ Fala me afastando. _ Já conversamos sobre isso Samantha! _ Fala autoritário.

       _ Eu quero você Benjamin! _ Falo tentando não chorar, não sei o que está dando em mim o acidente da dona Joyce me afetou muito, me fez reviver momentos dolorosos. _ Por favor, apenas me beije. _ Peço e dessa vez ele corresponde.

       Nosso beijo vai ficando mais urgente, e ele se afasta.

       _ Não podemos fazer isso, alguém pode nos ver.

       _ Então vamos a outro lugar. _ Falo querendo mais.

       _ Não tem onde, e não posso mais tocar em você Samantha! _ Fala se afastando pra longe.

       _ Eu posso te ajudar, com o dinheiro que precisa.

       _ Do que está falando? _ Pergunta confuso.

       _ Pra sua mãe! Eu sei que tem medo de perder seu trabalho porque sua mãe precisa de ajuda para melhorar, eu posso pagar para ela.

       Ele olha pra mim assustado, logo a raiva toma conta do seu olhar.

       _ Você foi até a minha casa? _ Pergunta quase gritando, vindo pra cima de mim. Me afasto até bater no muro.

       _ Eu só queria saber. _ Falo com a voz trêmula, seu olhar me deu medo.

       _ Você não tinha esse direito, Samantha. _ Fala ele realmente furioso, magoado.

       _ Me perdoe. _ Falo, mas ele dá as costas e vai embora.

       _ Benjamin, por favor espera. _ Falo correndo atrás dele, mas ele entra no carro e sai com tudo, cantando pneu. E ele não voltou mais aquele dia...

❤❤❤❤❤❤❤❤❤❤❤❤❤❤❤❤

Olá pessoal. Sobre colocar as fotos, teve um comentário sobre um outro aplicativo, mas não me acertei muito bem com ele kkk. Mas o WATTPAD é muito bom também, ele também é grátis e da para por fotos e até músicas. (Espero que gostem das minhas escolhas dos personagens) Tem alguns anúncios só, mas nada de mais. Quem quiser experimentar e só baixar o aplicarivo e procurar os livros. Estou arrumando os livros lá ainda, mas logo está tudo certo. Quem quiser entra e coloca os livros na biblioteca, gostei do aplicarivo, assim como o LERA.

(← Atalhos teclado) Anterior Conteúdos (Atalhos teclado →)
 Novels To Read Online Free

Digitalizar o código QR para baixar o Lera.

Volte para Topo

Partilhas